Sebrae avalia impacto ambiental da pesca

Piscicultores de Pão de Açúcar, no sertão de Alagoas, receberam nesta quinta-feira (21) a visita de consultores do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Alagoas (Sebrae/AL) para o levantamento sobre o impacto da piscicultura no meio ambiente da região.

A ação, coordenada pela Unidade de Acesso a Inovação e Tecnologia (UAIT), faz parte do Programa de Gerenciamento Ambiental para o desenvolvimento do Arranjo Produtivo Local (APL) Piscicultura. O APL, que é coordenado pelo governo do estado, por meio da Secretaria de Estado do Planejamento e do Orçamento (Seplan), em parceria com o Sebrae/AL, atende cerca de 300 piscicultores em 15 municípios do Baixo São Francisco alagoano.

O Programa de Gerenciamento Ambiental tem como objetivo fazer um monitoramento do impacto das ações do homem sobre natureza. Por isso, os consultores farão um diagnóstico do cultivo de peixes em tanques-redes, visando conhecer os processos que podem interferir no equilíbrio ambiental e, ao mesmo tempo, propor medidas para a sua redução.

Os integrantes da Associação de Cultivo de Peixes de Pão de Açúcar (Aquipeixe) devem participar da elaboração desse diagnóstico. De acordo com o consultor do Sebrae/AL, Marcelo Lima, além de avaliar os aspectos ambientais, levantar o impacto e sugerir ações mitigadoras, o trabalho dos consultores compreende a sensibilização dos piscicultores sobre a importância da conservação do meio ambiente.

“Pretendemos atingir a todos os produtores do APL e nosso foco principal está nas questões ambientais. Mas, também falaremos aos piscicultores sobre os requisitos para o atendimento as legislações pertinentes à atividade de piscicultura”, explica Marcelo.

“O principal objetivo do APL com a implantação do programa é dar um salto na qualidade no tratamento do pescado e, dessa forma, atender às exigências dos órgãos fiscalizadores e ainda valorizar o produto para a comercialização”, afirma o consultor do APL Piscicultura, Miguel Alencar.

O diagnóstico deverá ser concluído até o dia 31 de julho.

Fonte = Primeira Edição

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.