Robalo – Técnicas de pesca

robalo-tecnicaCARACTERÍSTICAS GERAIS

Os robalos vivem preferencialmente em águas costeiras e estuarinas, podendo ser encontrados na parte alta dos rios. Alimentam-se principalmente de peixes e crustáceos. São considerados, em relação à carne, como peixes de ótima qualidade. Como características gerais podemos dizer que são peixes de corpo alongado, comprimido, com o perfil dorsal acentuado. Os dentes são pequenos e o pré-operculo com margem serreada. Como já informamos , no Brasil são registradas 5 espécies: Centropomus undecimalis , Centropomus parallelus , Centropomus ensiferus , Centropomus pectinatus , Centropomus affinis, cujas caracteristicas básicas para pesca vem a seguir:

UTILIZANDO ISCAS NATURAIS

A pesca do robalo com isca natural, depende muito da habilidade do pescador, do tipo da isca (que pode variar muito dependendo do ambiente) e equipamento. Usualmente, utilizam-se o camarão vivo, o corrupto vivo, o lambari, o mamarreis, o barrigudinho ,a piaba e a manjuba.

A PESCA NA FOZ DO RIO

Neste ambiente o robalo mais encontrado é o “flecha”. O equipamento deverá ser preparado com vara de ação média e média pesada, de 6 a 7 pés, linha 0.37 mm e arranque de 0.43 mm. O chicote deverá ter 2 anzóis separados entre sí por uma distância de aproximadamente 40 cm, com haste de 30 cm a 35 cm. O chumbo deverá ser piramide e compatível com o equipamento montado. Uma boa dica é utilizar ( se o fundo do local de pesca for arenoso) um chumbo “garatéia”com arames, para melhor ancorar o chicote. O lançamento deverá ser executado em locais de água agitada, sem corrente. A melhor maré observada é a enchente. Uma boa isca nesse local é a manjuba (Anchoviella lepidontostole), mas o mamarreis também é uma excelente opção. Alguns pescadores preferem o camarão vivo, outros o corrupto vivo. Uma dica interessante é a maneira de colocar a isca no anzol. Retire a cabeça e a cauda da isca e coloque-a de forma que a ponta do anzol fique na região caudal da isca. Monte a isca de maneira que esta fique esticada no anzol, evitando dobras.

A PESCA NA CABECEIRA E CORPO DO RIO

Nesse ambiente o robalo mais encontrado é o “peba” ou “peva”(Centropomus paralellus). Importante para a escolha do local de pesca é saber se existem barreiras físicas que dificultem a migração destes peixes. Utilize uma vara de 6 pés, linha 0.33 mm e arranque de 0.37 ou 0.43 mm. Nesse local, as melhores, iscas são o lambari (Astyanax spp.) e o camarão vivo. Estas iscas, quanto vivas, devem ser iscadas da seguinte maneira: lambari, prender o anzol na região dorsal, acima da nadadeira peitoral; o camarão deve ser iscado na região dorsal logo após a cabeça. Este método é fundamental para a manutenção da isca viva e permitir o movimento. O lançamento deve ser realizado a uma distância de 10 a 15 metros, sempre em locais que existem abrigos na margem ou no substrato. Galhadas e troncos caídos são uma ótima opção.

PESCA COM BÓIA

Uma técnica usada com frequência para a pesca do robalo é a utilização de bóia. Esta técnica é utilizada em locais que existam enroscos (galhadas, pedras, etc.). A utilização da bóia permite a flutuação da isca natural, evitando prováveis perdas de equipamento. O equipamento deve ser montado utilizando-se o seguinte material: vara com capacidade para linha de, no mínimo, 0.30 mm; anzóis 2/0 a 1/0; bóia de isopor capaz de flutuar com o equipamento; chumbo de aproximadamente 30g. Unindo a linha que atravessa a bóia e une ao chumbo, deve-se fixar um destorcedor. A linha do empate deve ser de 0,45mm a 0,50mm. As principais iscas são: o camarão vivo, o lambari vivo e com menor eficiência, pedaços de manjuba. (Anchoviella lepidentostole).

PESCA DE RODADA

Para a realização da pesca de rodada do robalo, devemos ter o seguinte equipamento: carretilhas ou molinetes que comportem, no mínimo, 150m de linha 0,30mm de diâmetro; linha principal com 0,30mm de diâmetro; linha de arranque transparente de 0,50mm de diâmetro; chumbo do tipo oliva de aproximadamente 50g; destorcedor e anzóis 1/0 ou 2/0. Os arranques deverão ter 80cm de comprimento. Coloque na extremidade da linha do arranque o chumbo e na outra extremidade o destorcedor que ligará à linha principal. A uma distância de 20cm do chunbo, insira uma haste (rabicho) perpendicular à linha principal, também com 0,50mm de diâmetro, com 30cm de comprimento, onde será fixado o anzól. A melhor isca para esta modalidade de pesca é o camarão vivo, principalmente para as baias, manguezais e estuários. O lambari, também pode ser usado, principalmente em ambientes de lagoas e rios onde são abundantes. O camarão vivo deve ser iscado na serrilha da cabeça, e o lambari, em região muscular logo abaixo da nadadeira dorsal. Este método consiste em deixar o barco à deriva, explorando o ambiente. Deve-se lançar a isca na água, liberando a linha completamente até o chumbo atingir o fundo, recolhendo aproximadamente 0,50 a 1,0m de linha. Verifique constantemente a profundidade no local.

UTILIZANDO ISCAS ARTIFICIAIS

A pesca do robalo com isca artificial pode ser executada tanto na foz do rio, no mar, quanto na cabeceira, sendo que, na cabeceira e corpo do rio, observa-se mais a eficiência. As varas mais utilizadas são as de ação média e média pesada, linha de 0.33 a 0.37 mm com arranque de 0.40 a 0.43 mm. As iscas mais eficientes são as de meia água e de fundo (“Jigs, Plugs de superficie ou meia água”). Na foz do rio o arremesso deve ser executado em áreas de turbulência que fica sem ocorrência da maré. Uma boa dica é colocar na ponta da linha um chumbo piramide e a uma distância de 80 cm, uma haste de 50 cm com a isca. O arraste deve ser lento. Para a pesca do robalo em rios pode-se utilizar o mesmo equipamento descrito para a foz. A grande diferença é o método de pesca. O robalo é um peixe carnívoro e predador que fica abrigado no meio de galhadas, troncos de árvores ou pedras a espera de sua presa, preferencialmente pequenos peixes e camarões. Utiliza tática de caça na margem com água clara e em movimento. Portanto, este é o ambiente ideal para a realização da pesca.

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

O robalo é um peixe que muda seu comportamento com muita facilidade. Algumas alterações ambientais podem interferir consideravelmente no seu comportamento como: ventos, movimento das marés, temperatura, transparência da água, materiais em suspensão, pressão atmosférica, chuva, luminosidade, etc.

Com a temperatura da água superior a 21 gráus centigrados torna-se ativo na superfície. Abaixo desta até aproximadamente 15 gráus CC, pode ser encontrado à meia água e fundo. Temperatura inferiores a 10 gráus CC geralmente é imprópria para o robalo.
A pressão atmosférica é fundamental para a sua pesca, onde o ideal vai entre 1015mb e 1017mb.

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

8 Comentários

  1. oiaaaa…vai aprender a colocar os grampos na rocama fidapé!!kkkk

  2. gosto muito da pesca de robalo e este peixe tambem gosta mujto do morobá

  3. ricardo manoel francisco

    fiz varias pescarias em Bertioga usando camarão vivo e aprendi que este peixe não é nada facil de ser pescado os fatores para o sucesso são varios.agora sei mais alguns…muito bom obrigado

  4. atam mas a isca tanbem pode ser petinga certo?

  5. Camilo Aparecido Almeida

    muito legal seu site estou colocando um link do seu site no meu Blog “Curiosidades do Vale do Ribeira e suas Cidades” grande abraço. Camilo cidade de Registro-sp Vale do Ribeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.