Rio Paranapanema ganha 300 mil novos peixes

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, participou, nesta sexta-feira (27), da soltura de 300 mil alevinos no Rio Paranapanema, durante o encerramento do I Circuito Cultural da Preservação Ambiental do município de Porecatu, no Norte do Estado. A iniciativa faz parte do Programa de Reposição do Estoque Pesqueiro, coordenado pela Secretaria de Agricultura, que conta com a participação da Secretaria do Meio Ambiente.

Segundo Rasca, o programa busca restabelecer o equilíbrio ecológico, pois são soltos peixes nativos dos próprios rios, além de trazer um grande diferencial para a população ribeirinha. “Queremos recuperar a fauna dos rios paranaenses, o que irá trazer benefícios ao meio ambiente e, principalmente, à população que vive direta e indiretamente da pesca amadora e profissional”, comentou.

Ele falou ainda sobre a importância da conservação da mata ciliar para aumentar a perspectiva de bons resultados do programa de reposição do estoque pesqueiro. “A recuperação da mata ciliar beneficia diretamente o Programa, melhorando a qualidade da água e diminuindo a erosão, o que facilita o desenvolvimento dos peixes”, disse Rasca.

Conscientização – Para o prefeito de Porecatu, Dario Lunardelli, a ação representa o início de um trabalho de conscientização feito em parceria com o governo do Estado. “É como se fosse um renascimento dos nossos rios. Agora temos que trabalhar fortemente a conscientização ambiental para que a população faça a sua parte e ajude e preservar o meio ambiente”, afirmou Dario.

De acordo com o Chefe Regional do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) de Londrina, Carlos Alberto Hirata, o trabalho de acompanhamento e fiscalização da pesca em parceria com a Polícia Ambiental será intensificado para que os pescadores não impeçam o desenvolvimento dos alevinos. “Iremos focar na conscientização ambiental para que evitem a pesca com redes na região, dando tempo ao desenvolvimento dos peixes”, ressaltou Hirata.

O secretário do Meio Ambiente do município, Antônio Carlos Dias, destacou que a soltura dos peixes é um investimento para futuro.

“Na região, a pesca é uma atividade muito importante economicamente. Por isso estamos investindo na preservação da qualidade da água, em ações de proteção de nossos mananciais e de recuperação da mata ciliar. Assim teremos chances de oferecer um futuro melhor àqueles que moram na região”

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

um comentário

  1. cicera diva mendes

    acho muito importante a proibição da pesca com rede,pois os pescadores sai arrastando todos pequenos peixes parabens!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.