Rio Paraguai – Embrapa desenvolve novo modelo de previsão de cheias

Embrapa Pantanal desenvolveu um novo modelo de previsão de cheias para o rio Paraguai. Chamado de Modelad (Modelo de Previsão do Nível do rio Paraguai em Ladário), o modelo utiliza a medição da régua de Ladário, cidade vizinha a Corumbá (MS), e a série histórica de dados coletados desde 1900 pela Marinha.

O modelo foi desenvolvido pelo pesquisador Ivan Bergier. Antes, a Embrapa Pantanal utilizava o modelo criado pelo pesquisador Sérgio Galdino, que calculava a probabilidade de ocorrência do nível máximo com base nos níveis anteriores da mesma série histórica.

“O conjunto de equações do Modelad foi desenvolvido a partir da análise estatística entre o nível do rio em março ou abril e o nível máximo entre os anos de 1900 e 2008”, explica.

Historicamente os níveis máximos ocorrem preferencialmente em maio, junho ou julho. “Em anos de grandes cheias, superiores a 6 metros, o rio costuma atingir o nível máximo mais cedo, em abril”, explica Ivan.

Além de prever o nível do rio, o Modelad permite ainda estimar a data de ocorrência do nível máximo. “Essas equações foram geradas relacionando-se o nível máximo ou o estado do rio em março ou abril com o número de dias passados desde 1º de janeiro (dia Juliano) em cada ano”, afirma Ivan.

O modelo desenvolvido pelo pesquisador permite ainda avaliar que quanto mais próximo do nível máximo, melhor o resultado da previsão, ou seja, a informação será mais precisa, mais próxima da realidade.

“Uma previsão feita em janeiro, por exemplo, tem muito mais chance de ser errada. Isso porque as previsões precisam considerar a quantidade de chuvas de outubro a março”, disse ele.

Em função disso, os melhores dias para fazer e divulgar as previsões são 31 de março e, ainda com mais precisão, em 30 de abril. Baseada nessas indicações, a Embrapa Pantanal vai divulgar sua primeira previsão de cheia para 2009 utilizando o novo modelo na semana de 6 a 9 de abril.

Uma extensão do Modelad para previsão do nível mínimo anual já foi desenvolvida pelo pesquisador e deverá ser divulgada ainda neste ano.

MARGEM DE ERRO

Assim como Sérgio Galdino, Ivan Bergier também calculou as margens de erro do modelo de previsão. Em relação à altura máxima, os cálculos indicam que a previsão feita em 31 de março terá uma margem de erro de 43 centímetros (para mais ou para menos). Se for feita em 30 de abril, a margem de erro cai para 29 centímetros (para mais ou para menos).

Em relação ao pico da cheia, a margem de erro da previsão é de 12 dias (para mais ou para menos) se os cálculos forem feitos em 31 de março ou 30 de abril.

A publicação que explica o Modelad está disponível no site www.cpap.embrapa.br, clicando em publicações.

COMPARAÇÕES

Desde 2008, a Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, deixou de divulgar as previsões de cheia para o rio Paraguai. No entanto, o acompanhamento do nível de cheia e seca e a comparação com os anos anteriores continuam sendo realizados pela Unidade.

Fonte = por e-mail
Ana Maio
Jornalista – Mtb 21.928
Área de Comunicação e Negócios-ACN
Embrapa Pantanal
Corumbá (MS)

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.