Pressão Atmosférica

Podemos definir a pressão atmosférica como a força exercida pela atmosfera sobre a superfície considerada.

Como exemplo, apesar de não nos apercebermos disso, o corpo humano suporta em média (ao nível do mar) uma força resultante da pressão exercida (nos vários sentidos) de cerca de 15 toneladas.

Esses dias temos trocado mensagens sobre a pressão atmosférica e sua influência na pescaria. Concordamos todos com o fato sobejamente sabido de que não são os valores da pressão que prejudicam a pescaria e sim a mudança brusca para esses valores, não importando se para baixo ou para cima do valor normal de 1013,3mb ou HPa.

Particularmente prefiro pressões entre 1016 e 1020mb, desde que estáveis por no mínimo 24 horas.

No entanto, é preciso levar-se em conta e dando-se o competente desconto às marés barométricas, que são uma oscilação natural da pressão atmosférica em períodos de seis horas, assim discriminados:
Uma ocorrência máxima às 10.00h
Uma Ocorrência mínima às 16.00h
Outra ocorrência máxima (desta vez menor) às 22.00h
Outra ocorrência mínima (desta vez menor) às 04.00h
Entre um período e outro é normal uma variação de 2,5mb ou HPa, que deve ser considerada por ocasião da leitura para fins de previsão do tempo que deverá ser feita preferencialmente às 10.00h da manhã

Sem querer aprofundar muito o assunto, pois somos pescadores e não meteorologistas podemos considerar, no entanto, que existem quatro fatores que influenciam e determinam essas variações:
– temperatura;
– umidade do ar;
– densidade do ar;
– altitude.

Como a pressão atmosférica depende da gravidade (G) do local e como esta é determinada pela Latitude, podemos considerar que a latitude embora não seja responsável pelas variações da pressão atmosférica, determina a pressão normal para àquele ponto, vejamos o quatro primeiro.

1. Temperatura: Quanto menor a temperatura, maior a pressão atmosférica.
2. Umidade do ar: Quanto maior a umidade do ar, menor será a pressão.
3. Densidade do ar: Quanto maior a densidade do ar, maior a pressão.
4. Altitude: Quanto maior a altitude, menor a pressão atmosférica.

OBS: Aqui convém alertar para os pescadores de Trutas que normalmente sobem a montanha para fazê-lo, que certamente a pressão indicada será a normal e referente àquele ponto e não uma queda da mesma e a partir dela é que poderão ser consideradas as variações.
Variações para baixo na pressão atmosférica estão sempre associadas ao mau tempo e quanto mais baixas, pior ele será ou estará.

Já as variações para cima sempre predirão bom tempo, pois não existe mau tempo com a pressão alta.

Para verificar essas variações usamos o barômetro, aparelho específico para esse trabalho, um dos modernos relógios digitais possuidores dessa função ou até mesmo uma pequena “Estação”, que concentre à disposição do pescador um Barômetro, um higrômetro e um termômetro.

Barômetros comum e para Pesca

Como disse, sem sermos meteorologistas não vamos nos ater ao funcionamento dos barômetros e sim em como operá-los.

Basicamente os barômetros são constituídos de um mostrador com as indicações necessárias a determinação da pressão e outras com opiniões sobre do resultado da mesma e sobre este mostrador move-se o ponteiro que as indica.

Externamente, um ponteiro móvel facilita o trabalho de verificação das variações, funcionando da seguinte maneira:

Movimente o ponteiro externo colocando-o sobre o interno. Passado determinado tempo, se tiver havido variação na pressão atmosférica, este já não estará sobre o ponteiro interno, A diferença entre eles mostrará a variação da pressão atmosférica naquele período mas não espere mudanças instantâneas nas condições atmosféricas. Ele indica a tendência nas próximas vinte e quatro horas, e aí não falha!

OBS: Antes da leitura dê pequenos toques com a ponta dos dedos no vidro do barômetro para aliviar a pressão sobre o ponteiro interior que pode estar preso, fazendo uma indicação errada.

No entanto, precisamos ter sempre em mente, que embora a pressão atmosférica influencie positivamente e negativamente a pescaria, mais do que seus valores totais essa influência é determinada por suas variações no momento, variações bruscas sempre vão determinar uma alteração para pior ou uma melhora demorada no resultado da mesma, assim como a análise dessas variações combinada com a temperatura, dará uma boa indicação de como será o dia.

Olhe também para o céu.
Pode até não melhorar a sua pescaria, mas certamente poderá evitar que você pegue chuva desprevenido.

Há muito tempo, mais de vinte anos, li numa edição da revista Pescatur, que circulava no Rio de Janeiro, a opinião de um pescador (Vitor Ged), que dizia:

A pressão atmosférica, cujas variações muito têm a ver com a renovação do oxigênio contido na água, atua como influência energizante nos peixes esportivos, da mesma forma que a purificação da água o é para o peixinho do aquário“.

O conhecimento da leitura correta e interpretação dos dados fornecidos pelo barômetro nos dá a indicação de quando essa troca de pressão energizante está ocorrendo e em função dela os melhores momentos para a nossa pescaria.

“Assim a passagem de uma frente fria, normalmente assinalada com antecedência por uma elevação na pressão indicada pelo barômetro seria a situação ideal ou a mais favorável para a pesca, pois nessas condições os peixes comerão tudo que se lhes apresente, principalmente em águas mais rasas e isso pode acontecer até mesmo debaixo de chuva que certamente terminará breve juntamente com a estabilização do barômetro e o término dessas condições favoráveis”.

Sendo assim, acredito que o ideal é estar pescando logo que a pressão inicie a sua elevação, o que, no entanto, para nosso desgosto nem sempre cai num sábado, domingo ou feriado, pois os arquivos mostram sem qualquer dúvida que a pesca é muito melhor durante as horas de pressão atmosférica alta ou de sua elevação.

Fora disso, nem sempre um dia claro, ensolarado e de muito calor, livre de nuvens ou vento, ideal para se “pinchar” aqui e ali, enquanto se procura diminuir o estresse da semana, terminará não o aumentando.

Essas condições representam que a pressão atmosférica está baixa e chegam até mesmo a causar um certo desconforto a determinadas pessoas. Os peixes, criaturas mais sensíveis certamente as sentiram antes e procuraram águas mais profundas e mais favoráveis ao seu metabolismo. Nesses dias se quisermos ter algum sucesso, é nelas que devemos procurá-los.

Conclusão
Como disse, pode até não dar certo, mas garanto que vocês vão ter o que fazer quando o peixe não aparecer, dêem uma relida no texto e depois se empertiguem e digam como desculpa:

A variação da pressão atmosférica em ascensão aliada à forte queda da temperatura ocasionou ventos de intensidade moderada, mas que tornavam perigosa a navegação e ainda influíam negativamente no arremesso das iscas artificiais alterando o trabalho das mesmas, mormente as de superfície prejudicando com isso o resultado da pescaria“.

Bem que o Cravo falou!

DICAS:
Para converter Celsius em Fahrenheit multiplicar por 9, dividir o resultado obtido por 5 e acrescentar 32.

Para converter Fahrenheit em Celsius, subtrair 32, multiplicar o resultado por 5 e dividir o resultado obtido por 9.

Matéria escrita por A.C. Cravo para o Ecopesca

Sobre o autor

Escreveu 2224 artigos neste site.

2 Comentários em “Pressão Atmosférica”

  • hhhgffk Publicado em 14 abril, 2009, 22:44

    não entendi nada

  • morven staff Publicado em 10 outubro, 2010, 18:45

    belos pensamentos sobre a pressão atmosférica

Deixe um Comentário

Gravatar são pequenas imagens que mostram sua personalidade. Obtenha um gravatar gratuitamente!


um + = 5

Copyright © 2014 Guia da Pesca. Todos os direitos resevados.
Hospedado e Personalizado por Aquila Host