Ministério da Pesca e Aquicultura contribui com o MEC em ações de alfabetização

Mais pescadores de cinco regiões do país serão alfabetizados pelo Pescando Letras.

O Ministério da Pesca e Aquicultura realizou encontro em Brasília nos dias 28 e 29 de janeiro pelo Projeto Pescando Letras que vem crescendo por todo o país.

O evento teve como objetivo avaliar a execução do convênio assinado entre o MPA e a ACASA (Associação Comunitária de Ação Social Ágape) que prevê a implantação de cinco pilotos de alfabetização, um para cada região do Brasil, integrado a educação cidadã e qualificação profissional. As aulas acontecem no período de defeso de cada localidade, respeitando as diferenças e modo de vida dos pescadores em cada região.

Esse Programa visa atender a necessidade urgente de alfabetização dos pescadores e pescadoras profissionais e aquicultores e aquicultoras familiares, jovens e adultos, numa perspectiva de educação continuada, tomando em consideração o contexto sócio-político dessa população e o desafio de fortalecer a sua participação na construção de espaços democráticos.

Visando adequar o processo de alfabetização aos períodos de defeso, é utilizado o método cubano Sim, eu posso, que possibilita alfabetizar em até quatro meses, integrado aos Círculos de Cultura, que teve origem nos trabalhos do Movimento de Cultura Popular, coordenado por Paulo Freire.

Durante o evento, o Coordenador do Programa Brasil Alfabetizado do Ministério da Educação, Mauro José da Silva, destacou a importância do Pescando Letras e o quanto vem contribuindo com o programa do Governo Federal, Brasil Alfabetizado. “Essa parceria com o Ministério da Pesca e Aquicultura, nos possibilitou a conhecer novos métodos de alfabetização, através da junção de ações complementares e queremos continuar trabalhando juntos nesse trato específico com o social inicial da alfabetização”, relata Mauro.

Além do convidado do Ministério da Educação, o evento contou com a presença da Conselheira da Embaixada de Cuba, Maria Emília Cabrera Vieira, da equipe nacional do Projeto Pescando Letras, equipes estaduais, (Técnicos Articuladores, Técnicos Pedagógicos Estaduais e Especialistas Cubanos).

São cinco regiões com realidades totalmente distintas entre si, onde a preocupação maior do projeto é respeitar as especificidades regionais para que assim, seja possível formatar um programa de educação que realmente atenda às necessidades do setor“, afirma a assessora do MPA e responsável pelo acompanhamento do convênio, Maria Luiza Moretzsohn.

Santa Catarina iniciou as aulas em agosto, Bahia e Mato Grosso em novembro e Pará e Rio de janeiro estão iniciando agora.

MPA

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.