Juazeiro – Pescadores protestam contra interdição do Exército Brasileiro à Ilha do Fogo

Pescadores e frequentadores da Ilha do Fogo, no município de Juazeiro, norte da Bahia, se reuniram com o deputado estadual Marcelino Galo (PT) para encaminhar formalmente um protesto contra a interdição do Exército Brasileiro à Ilha, ocupada desde o dia 3 de setembro deste ano. O encontro aconteceu na tarde da quinta-feira (6), na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), e o parlamentar petista se comprometeu em levar o fato ao plenário da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), solicitando a realização de uma Audiência Pública em Juazeiro para aprofundar o debate sobre o caso.

“Vamos ampliar e manter os diálogos com os dirigentes de órgãos das administrações estadual e federal que possam propiciar resoluções positivas a favor da população e em particular dos pescadores. Já existe um representante [Carlos Costa], responsável pelas negociações com o governo do estado e vamos questionar a ocupação já que não existe uma decisão judicial concedendo a Ilha ao Exército. Isso vem causando sérios problemas sociais, como a impossibilidade dos pescadores comercializarem seus produtos e, por conta disso, suas famílias passam por contínuo estresse com a falta de perspectiva para obter renda e subsídios para a sobrevivência”, pontua Marcelino Galo.

De acordo com membros do Coletivo de Luta pela Ilha do Fogo, o local nunca foi perigoso como prega o Exército. “Se fosse assim teríamos altos índices de violência que geralmente está associada ao consumo de drogas, prostituição e tráfico. Não há registro policial nos últimos 36 meses, o que não justifica a invasão do Exército. Precisamos é da construção de um Museu [do Ribeirinho] para a população ter referência cultural e turística da região, já existem estudos da Univasf e da Chesf para isso. Não vamos trocar um museu por um centro de treinamento militar”, declara o representante Enio da Ilha, acompanhado de Tadeu Reis e Jucinei Martins, todos do Coletivo.

A Ilha do Fogo é propriedade da União, mas há cerca de 70 anos foi preservada e utilizada pelos pescadores como residência e entreposto de pesca e pela população para os seus momentos de lazer. Recentemente, a localidade foi ocupada por prepostos do Exército Brasileiro que objetiva proibir o acesso das pessoas e dos pescadores à ilha. Um ato administrativo da Superintendência de Patrimônio da União, em Recife, concedeu a posse da ilha ao Exército.

 

Ascom do deputado Marcelino Galo

www.marcelinogalo.com

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.