ICCAT define medidas para controlar pesca do atum

Brasília – Medidas de controle e ordenamento da pesca do atum e de outras espécies foram definidas na 21ª Reunião Ordinária da Comissão Internacional para a Conservação do Atum Atlântico ( ICCAT, a sigla em inglês), realizada na semana passada (de 9 a 15) em Porto de Galinhas (PE).

O objetivo do encontro foi limitar a captura do atum azul e estabelecer quotas que garantam a sustentabilidade de outras espécies de interesse do Brasil, como o espadarte. A reunião contou com a participação de mais de 500 pessoas de 48 países integrantes da comissão.

As mudanças aprovadas incluem a redução da captura do atum azul de 22 mil para 13,5 mil toneladas e a diminuição da pesca do espadarte de 17 mil para 15 mil toneladas. Apesar da redução da pesca do espadarte para os demais países, a quota do Brasil permanece de 4 mil toneladas anuais aproximadamente.

O ICCAT é responsável por ordenar a pesca dos recursos migratórios de alto-mar de todo o Oceano Atlântico e do Mar Mediterrâneo. O atual presidente da comissão, Fábio Hazim, foi reeleito para mais um mandato de dois anos. Ele é o primeiro presidente de um país em desenvolvimento a liderar a comissão.

Segundo Hazim, “a reunião teve avanços importantes, não apenas pela recondução do país à presidência, para um segundo mandato, mas também pelas medidas de ordenamento e conservação que certamente contribuirão, de forma decisiva, para a sustentabilidade dos estoques explotados (explorados economicamente)”.

O ministro da Pesca e Aquicultura, Altemir Gregolin, disse que para o Brasil as conquistas são importantes. “Temos a estratégia de desenvolver a pesca oceânica. Estamos investindo nessa iniciativa”. Segundo ele, existem 54 projetos nesse setor.

De acordo com o ministro, o governo tem políticas claras de apoio ao autodesenvolvimento econômico. Gregolin acredita que o Brasil tem condições de ser um dos maiores produtores de pescado do mundo: “Estamos investindo em 20 terminais pesqueiros no Nordeste do país. Temos uma obra pronta em Cabedelo, na Paraíba, onde foram investidos R$ 12 milhões”, acrescentou.

Dados do Ministério da Pesca e Aquicultura indicam que a indústria brasileira processa 117 milhões de latas de atum por ano, gerando 10 mil empregos diretos e indiretos.

Da Agência Brasil

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.