Búzios inauguração fazenda marinha

Secretário Felipe Peixoto, prefeito Mirinho, o presidente do Fiperj e diversas personalidades participam da inauguração da fazenda marinha de Búzios

O balneário de Búzios, na Região dos Lagos, passou por mais uma edição do Governo Itinerante. No terceiro e último dia presente no bairro de José Gonçalves, a Prefeitura de Búzios juntamente com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap), a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), e os pescadores artesanais de Búzios, inaugurou a Fazenda Marinha para cultivo de moluscos. Durante três meses, foi realizada a instalação das poitas de fixação e da long line com as sementeiras de mexilhões. A fazenda deve possibilitar a produção de cerca de quatro toneladas desse alimento em um período de seis meses.

A Fiperj, através de seus técnicos, viabiliza capacitação aos pescadores para que a produção seja executada de maneira correta e sustentável. Já o Sebrae vai promover cursos de Gestão de Negócios, para que esses trabalhadores possam vender seus produtos diretamente aos consumidores, tornando-se microempreendedores. As safras dos mexilhões vão ocorrer a cada dois meses, o que garante produção o ano inteiro, que será destinada ao comércio local.

De acordo com o secretário Estadual de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca, Felipe Peixoto, a nova fazenda marinha marca uma importante etapa de sua gestão.

– Transformamos a produção de mexilhões em uma atividade sustentável e, ao mesmo tempo, damos fonte de renda a esses trabalhadores – disse Felipe Peixoto.

Apesar desse ser um projeto experimental, a secretária de Meio Ambiente e Pesca de Búzios, Adriana Saad, acredita que ele ainda possa ser ampliado.

– Isso só é possível graças a uma grande parceria entre a prefeitura, a secretaria estadual, o Sebrae e os pescadores – afirma.

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.