Bahia – Maior apreensão de lagostas no Brasil

bahia-apreensao-lagostaEunápolis – Às 11h00 de sábado (30), uma equipe de fiscalização do Ibama e a Companhia de Polícia de Proteção Ambiental da Polícia Militar da Bahia-Coppa, flagraram três embarcações lagosteiras com 4,5 toneladas de caudas de lagosta pescadas no período de defeso do crustáceo. Esta é a maior apreensão de lagostas realizada até hoje no Brasil.

As 4,5 toneladas de caudas apreendidas equivalem à retirada de mais de doze mil espécimes de lagosta vermelha do mar de forma predatória, no período do defeso, em que a pesca do crustáceo é proibida para garantir a reprodução das espécies e a consequente sustentabilidade da pesca da lagosta. A pesca predatória prejudica não só a reprodução e a manutenção dos estoques das espécies como também as empresas e pescadores que atuam na legalidade.

Os barcos de pesca apreendidos eram provenientes do Ceará. As embarcações João Rebouças, Elizete Cristina e Almeida IV estavam escondidas num pequeno cais improvisado dentro de uma lavoura de cacau. A propriedade rural fica as margens do Rio Itanhém, próxima ao Porto de Alcobaça, estado da Bahia.

A operação, que se desenrolou até o dia 31, também contou com apoio do 11º Batalhão de Engenharia e Construções do Exército Brasileiro – destacamento de Caravelas/BA e da Companhia Especial de Policiamento da Mata Atlântica da Polícia Militar baiana-Caema.

A operação coordenada pela Gerência Executiva do Ibama em Eunápolis/BA contou com a participação de agentes de fiscalização do Escritório Regional do Ibama em Ilhéus, agentes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade lotados no Parque Nacional de Abrolhos/BA e na Resex de Corumbau/BA, além dos policiais do Pelotão da Coppa em Ilhéus/BA. Foram lavrados autos de infração no valor de R$ 240 mil. A lagosta apreendida será doada conforme determina a Lei 9.605/98.

Gerex/Ibama/Eunápolis/BA

Veja também

Tubarão-lixa

Brasil consegue reprodução de tubarão lixa em cativeiro

Um casal de tubarões-lixa (Ginglymostoma cirratum) se reproduziu pela segunda vez no Brasil, em tanques …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.