Tartaruga é capturada em rede de pesca em SC

O animal ficou preso em uma rede de pesca utilizada por pescadores em Bombinhas

tartaruga marinha bombinhasUma tartaruga marinha foi capturada por uma rede de pesca de arrasto no início da noite desta segunda-feira na praia de Bombas, em Bombinhas (SC). A cena divertiu as crianças que, depois de muitos olhares curiosos, ajudaram a devolver o animal ao mar.

Elas fizeram um gesto de amor à natureza e logo soltaram a tartaruga na água“, conta o internauta Fabrício Jachowicz. O animal pertence à espécie Chelonia mydas, também conhecida como tartaruga verde ou aruanã, a mais encontrada no Brasil. Ela se alimenta exclusivamente de algas e sua alta taxa de mortalidade está ligada à ingestão do microlixo que adere ao seu alimento.

De acordo com a bióloga Camila Trentin Cegoni, gestora do Centro de Visitantes da Base de Florianópolis do Projeto Tamar, situações como esta são comuns no litoral catarinense. “A base do projeto na região Sul foi criada justamente devido às capturas incidentais de tartarugas marinhas nas diferentes artes de pesca”, explica.

Por meio do Plano Pesca, o Tamar busca minimizar o impacto da atividade sobre as tartarugas marinhas, monitorando a atuação em alto mar e costeira, de menor porte, como a realizada pelos pescadores na praia de Bombas. “As tartarugas são animais pulmonados que quando se enroscam nas redes não conseguem vir à superfície para respirar e acabam morrendo afogadas”, afirma Camila.

Um trabalho de educação ambiental é realizado nas comunidades pesqueiras, incluindo também os jovens em idade escolar, filhos de pescadores e de moradores. “Os pescadores são orientados em como manipular um animal debilitado e então entrar em contato com a equipe do Tamar mais próxima“, explica Cegoni.

A presença de tartarugas marinhas no litoral sul do País é constante, por ser uma importante área de alimentação. As regiões de desova e nascimento de filhotes ocorrem do norte do Rio de Janeiro até o Ceará. “O Sul recebe geralmente animais juvenis, com em torno de 0,40 cm de comprimento de casco e uma média de 10 kg”, conta Camila. No entanto, animais com mais de 250 kg também já foram encontrados.

Fonte = Terra
Foto: Fabrício Jachowicz/vc repórter

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.