Projeto de Inclusão Socioprodutiva no Pará vai beneficiar 55 mil pessoas

O governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Sedes) teve aprovado um grande projeto de Inclusão Socioprodutiva para o Estado do Pará, junto ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

O projeto aprovado pela Sedes é de mais de R$30 milhões e vai beneficiar 11.048 famílias, cerca de 55 mil pessoas em 29 municípios paraenses nas Regiões de Integração Metropolitana, do Marajó, do Baixo Amazonas e Baixo Tocantins, e dos Caetés, que irão trabalhar com as cadeias produtivas prioritárias do caranguejo-uçá, açaí, da pesca, de resíduos sólidos reaproveitáveis, em Cooperativa Solidária e Popular de Serviços, e de bioálcoool, a partir da produção da agricultura familiar.

Depois de receber uma equipe de representantes do MDS em Belém, nesta quinta-feira (19), a secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Eutália Barbosa Rodrigues, que está em Santarém, na Região de Integração do Baixo Amazonas, apresentou, junto com a equipe do Ministério, à prefeita Maria do Carmo (PT) e autoridades locais, o arranjo para a produção de bioálcoool, a partir da produção da agricultura familiar em comunidades quilombolas, que irá beneficiar famílias do município, com investimentos de mais de R$3 milhões.

O projeto de Inclusão Socioprodutiva será desenvolvido com apoio e parceria de mais dez secretarias de estado e outros órgãos do governo, como o Banpará e a Adepará. Vai ampliar as competências de indivíduos e aumentar a capacidade familiar através da educação, da cultura e principalmente da qualificação e capacitação para o trabalho, com inclusão socioprodutiva, promoção da autonomia delas para a produção e emancipação socioeconômica individual, das famílias e das comunidades.

O projeto vai gerar nos próximos três anos oportunidades de trabalho e renda às famílias paraenses em situação de vulnerabilidade social e econômica, cadastradas no sistema do Cadúnico (cadastro único), prioritariamente as beneficiárias do Programa Bolsa Família, com vista ao desenvolvimento de sua autonomia pessoal e empoderamento das suas competências familiar e comunitária.

Na Região de Integração do Marajó será impulsionada a cadeia produtiva da pesca em todos os dezesseis municípios; na Região do Baixo Tocantins o projeto vai beneficiar a cadeia produtiva do açaí em Acará, Igarapé – Miri, Abaetetuba, Barcarena e Moju; os cinco municípios da Região Metropolitana terão impulsionadas as cadeias produtivas do açaí, de resíduos sólidos reaproveitáveis e em Cooperativa Solidária e Popular de Serviços; em Santarém, no Baixo Amazonas, as famílias serão beneficiadas com investimentos na agricultura familiar e produção de biodiesel; e na Região do Rio Caetés serão trabalhadas a produção de caranguejo-uçá e o reaproveitamento de resíduos sólidos nos municípios de Bragança e Quatipuru.

O projeto vai investir em capacitação, na produção e no beneficiamento. No caso da pesca, do caranguejo-uçá e da agricultura familiar, o objetivo é que a produção seja utilizada na merenda escolar.

Participam do projeto a Sagri, Sespa, Sejudh, Seter, Sema, Adepará, Banpará, Sedurb, Sepaq, Segov, Seir e Seduc.

Agência Pará
Jorge Herberth Ferreira- Sedes

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.