Projeto “Gente da maré” faz balanço de suas atividades

“Gente da Maré”, resultado de uma parceria entre o Brasil e o Canadá, com o apoio da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Na tarde desta quarta-feira, dia 02 de março, foi concluído um encontro no auditório do Ministério da Pesca e Aquicultura, em Brasília, para fazer um balanço do projeto “Gente da Maré”, resultado de uma parceria entre o Brasil e o Canadá, com o apoio da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O objetivo deste projeto foi melhorar as condições de vida de pescadores artesanais e marisqueiras de comunidades costeiras tradicionais dos estados da Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba.

Em dois anos, o projeto mobilizou mais de mil mulheres e 500 homens da região Nordeste. Organização social; capacitação profissional; articulação institucional entre governo, comunidade e academia (universidades); tecnologias para produção e cultivo de molusco; e, sobretudo, avanços na área de saúde ocupacional da mulher, foram alguns dos pontos fortes de atuação do projeto.

Na oportunidade, Luiz Oswaldo, diretor de Planejamento e Ordenamento de Aquicultura em Estabelecimentos Rurais do ministério e coordenador do projeto pelo MPA, recordou a importância de se garantir sustentabilidade às comunidades marisqueiras, em ações futuras. Para ele, é preciso que elas produzam não apenas para subsistência, mas que tenham renda para continuar na atividade, através de uma organização que permita a comercialização em maior escala.

Mariscos e ostras

Segundo Fábio Expedito, do MPA, que assessorou todo o projeto, as marisqueiras do Rio Grande do Norte produzem búzio, um pequeno marisco. A atividade também se estende a Pernambuco, onde o mesmo molusco é conhecido por marisco-pedra, e ao sul da Paraíba. No estado da Bahia, entretanto, o foco do projeto esteve relacionado à ostreicultura (cultivo de ostras). “Em várias oficinas discutimos a situação das marisqueiras e hoje elas estão mais capacitadas, organizadas e conscientes de seus direitos no exercício da profissão”, avalia Expedito.

Os projetos do “Gente da Maré” foram elaborados pelo Ministério da Pesca e Aquicultura e executados pela Organização Não Governamental World Fisheries Trust, do Canadá. A Agência Canadense de Cooperação Internacional (CIDA) patrocinou o projeto com recursos da ordem de 1,5 milhões de dólares canadenses. A FAO também ofereceu suporte ao projeto.

Estiveram presentes à reunião, além de Luiz Oswaldo e Fábio Expedito, pelo MPA, Joachim Carolsfeld, coordenador do projeto pela WFT e seu colega John Matias Wojciechowski; os superintendentes federais da Pesca e Aquicultura Marcílio Andrade Dias (Rio Grande do Norte), José Telino Lacerda Neto (Pernambuco) e Onildo Lustosa (Bahia); Alexandre Nascimento e a engenheira de pesca Karina Suzana de Melo, articuladores pelo MPA/FAO; e as líderes comunitárias Navegante Santos Mendonça, da Associação de Pescadoras e Artesãs de Grossos (RN), e Maria Lurdes Soares, presidente da Colônia de Ponta de Pedra/Goiana (PE).

 

MPA

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.