Produtores alagoanos de ostras recebem novos equipamentos

OstrasProdutores de ostra irão receber a doação de novas mesas para cultivo de ostras. Ao todo, serão doadas 200 mesas, um investimento de cerca de R$ 30 mil, que vai proporcionar um avanço comercial na atividade como aumento da produtividade e da qualidade do produto.

As mesas serão doadas pela Agência Espanhola através do Instituto Ambiental Brasil Sustentável (IABS) para cinco comunidades atendidas pelo Projeto Ostreicultura na Região do Litoral de Alagoas, coordenado pelo Serviço de Apoio às Micro e pequenas Empresas (Sebrae/AL), o que irá beneficiar cerca de 100 produtores de Porto de Pedras, Passo de Camaragibe, Ipioca, Barra de São Miguel e Coruripe.

A escolha desses grupos foi baseada no nível de organização dos cultivos. Assim, as instituições parceiras sentem-se mais seguras para investir”, afirmou o gestor do Projeto de Ostreicultura do Sebrae/AL, Manoel Ramalho.

As mesas são estruturas colocadas no estuário, onde as ostras crescem e se reproduzem até ficarem prontas para serem recolhidas. De acordo com o analista da Carteira de Agronegócios do Sebrae/AL, Manoel Ramalho, cada mesa comporta 600 ostras e com as 40 mesas é possível produzir cerca de 120 mil ostras a mais por ciclo, o que corresponde a períodos de 6 a 8 meses.

A maior quantidade de mesas representa uma melhor qualidade comercial. Com mais espaço para crescer, as ostras se desenvolvem melhor e em menos tempo. Maiores e com uma aparência melhor, o produto tem acesso ao mercado com mais facilidade”, destacou Manoel.

Por enquanto, apenas os produtores de Porto de Pedra receberam a doação. Até o final do ano, os outros quatro cultivos também receberão as mesas. O IABS entrega o material e os próprios ostreicultores montam as mesas. Diferente do modelo atual, em madeira, as novas mesas são de PVC, mais duráveis e ecologicamente corretas.

Ostreicultura em Alagoas

Devido ao ambiente favorável, como os nossos estuários, a maricultura em Alagoas tem um bom potencial para se desenvolver promovendo a geração de trabalho e renda para as populações à margem do processo de desenvolvimento na região do litoral de Alagoas, através de tecnologias simples, reunindo conceitos de sustentabilidade social e ambiental.

Em 2008, foi criado o Projeto Ostreicultura na Região do Litoral de Alagoas, que tem por objetivo aumentar o volume de produção e o consumo de ostras do Estado.

O Projeto tem duração de três anos e chega ao fim em 2010, com uma meta de 10% no aumento da produção no Estado. “Se obtivermos resultados claros e boas respostas junto aos cultivos e à população, o projeto pode se estender para além de 2010”, diz o gestor do projeto, Manoel Ramalho.

Além do Sebrae/AL, são parceiros do projeto a Universidade Federal de Alagoas (Ufal), a Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Agrário (Seagri), a Superintendência do Ministério da Pesca e Aqüicultura (SMPA), Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA), Agência Espanhola de Cooperação para o Desenvolvimento (Aecid), o Instituto Ambiental Brasil Sustentável (IABS), a Associação dos Ostreicultores da Palatéia de Barra de São Miguel (Paraíso das Ostras), Associação dos Ostreicultores de Barreiras de Coruripe (Aobarco), Associação dos Maricultores da Barra de Camaragibe (Rio Mar), Associação dos Maricultores de Ipioca Anjos do Mar (Amiam) e Colônia de Pescadores Z – 25 (Porto de Pedras). Mais informações 4009-1683.

Agência Sebrae
Foto: Alagoas 24 Horas

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.