Primeira fase do defeso do camarão começa em 1º de abril

O objetivo deste defeso é a proteção dos camarões jovens em fase de recrutamento e desova

O superintendente do Ibama no estado de Sergipe, Manoel Rezende Neto, informa à população que, no período de 1º de abril a 15 de maio, será realizada a primeira fase do defeso do camarão, quando estarão proibidas as atividades de captura, conservação, beneficiamento, comercialização ou industrialização do camarão rosa, do camarão sete barbas e do camarão branco na área compreendida entre os estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe e os municípios de Mata de São João e Camaçari, na Bahia. O objetivo deste defeso é a proteção dos camarões jovens em fase de recrutamento e desova, não sendo permitido o uso de qualquer petrecho de pesca.

As pessoas físicas ou jurídicas que se utilizam dessas atividades deverão fornecer ás superintendências do Ibama nos estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia, até o último dia que antecede o período (31/03), relação detalhada do produto estocado, sendo tolerado o desembarque dessas espécies até o segundo dia útil após o início do defeso.

O descumprimento da portaria sujeitará os infratores às penalidades previstas na Lei n.º 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais) e no Decreto n.º 6514/2008. A multa para esse crime varia de R$ 700,00 a R$ 100 mil e poderá haver perda da embarcação, dos petrechos de pesca e do produto e o cancelamento da licença de pesca, além de os infratores serem responsabilizados por processo criminal instaurado pelo Ministério Púbico Federal.

O superintendente lembra, ainda, que o exercício da pesca de arrasto motorizado no litoral de Sergipe a menos de 2 milhas náuticas da costa está sujeita às mesmas sanções acima descritas.

Em Sergipe, o defeso acontece em duas fases distintas: a primeira, de 1º de abril a 15 de maio, e a segunda, de 1º de dezembro a 15 de janeiro.
Ascom/Ibama/SE

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.