Praia de Itaguaré, em Bertioga, terá recifes artificiais para reconstituir ecossistema

SÃO PAULO – A Praia de Itaguaré, em Bertioga, ganhá novos recifes artificiais a partir do ano que vem. A exemplo do que foi feito entre 1997 e 2000, o local receberá dezenas de estruturas de concreto e aço que, submersas, têm a função de recompor o ecossistema marinho da região, além de inibir a pesca predatória. Nos próximos dias, técnicos da Fundação de Estudos de Pesquisas Aquáticas (Fundespa) iniciarão estudos para definir os pontos onde serão lançadas as estruturas. O trabalho de campo deve durar cerca de seis meses.

Com 3,5 km, a praia tem faixa larga de areia dura. Numa de suas extremidades, deságua o rio que leva o mesmo nome, onde é possível fazer passeios de barco ou canoas. Procurada por surfistas, é considerada praticamente a única praia virgem da região.

Entre as ações a serem executadas estão a identificação das espécies presentes na praia, bem como a análise dos sedimentos e das correntes marítimas que influenciam o ecossistema da região.

– O próximo passo será fazer o licenciamento ambiental das áreas escolhidas e, posteriormente, o lançamento das estruturas – explicou o prefeito, que acredita que até junho de 2010 este trabalho esteja concluído.

O diretor de Operações Ambientais do Município, Bolívar Barbanti Júnior, explicou que, ao serem colonizados, os recifes artificiais imitam a natureza biológica do ecossistema marinho, agregando biomassa e biodiversidade.

A instalação de novos recifes artificiais em Bertioga deve contribuir para o aumento da produção de pescado na cidade. Isso porque, várias espécies de peixes de importância econômica e ecológica utilizam estes hábitats como abrigos contra predadores, além de funcionaram como áreas de crescimento, reprodução e alimentação.

Uma em cada quatro espécies marinhas vive em ambientes recifais, incluindo 65% dos peixes. Por abrigarem uma extraordinária variedade de plantas e animais, essas formações sofrem rápido processo de degradação. Justamente por esse motivo é que os recifes artificiais são usados como mecanismo de recuperação desses ecossistemas. Além disso, os recifes também podem alavancar a pesca esportiva.

A estrutura do recife artificial é feita em concreto ou aço, em formato que facilita a formação de criadouros de peixes e outras espécies marinhas. O modelo adotado pela Prefeitura de Bertioga também inibe a parelha, método de pesca em que dois barcos navegam lado a lado com grandes redes, varrendo toda a coluna de água e o fundo.

No período de 1997 e 2000 foram instaladas 200 estruturas de concreto e 90 de aço, em Bertioga, para recuperação do ecossistema costeiro e exclusão do arrasto de fundo.

Veja também

Tubarão-lixa

Brasil consegue reprodução de tubarão lixa em cativeiro

Um casal de tubarões-lixa (Ginglymostoma cirratum) se reproduziu pela segunda vez no Brasil, em tanques …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.