PMA de Mato Grosso do Sul registra diminuição nos casos de pesca predatória

Com ótimo desempenho preventivo durante a fiscalização em período de piracema e quando a pesca encontra-se aberta

A Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul completa hoje (19) 25 anos de proteção ao ambiente do Estado e faz um balanço das ações e realiza várias atividades alusivas à data. Atualmente uma das infrações e crimes ambientais mais registrados pela PMA é a pesca predatória, mas devido à intensa fiscalização esta situação já esta sendo revertida. “Com ótimo desempenho preventivo durante a fiscalização em período de piracema e quando a pesca encontra-se aberta, a PMA faz com que os números de apreensões diminuam a cada ano. Em 1988 a Corporação apreendeu 120 toneladas de pescado, sendo que atualmente as apreensões não passam de 8 toneladas”, comenta o comandante da PMA, tenente-coronel Carlos Matoso.

A fiscalização preventiva tem sido prioridade, as sub-unidades desenvolvem fiscalização nos rios e em propriedades rurais, levando também conhecimento e informação com o intuito de conservar os recursos naturais do Estado. A Polícia Ambiental confecciona por ano uma média de 1.200 autos de infrações.

Além das atividades repressivas, a PMA desenvolve projetos de extrema importância na área sócioambiental e de Educação Ambiental, tal como o Projeto Florestinha e Núcleo de Educação Ambiental. O Núcleo atendeu, desde que passou a atuar diretamente em escolas entre 1999 a 2011, um total de 209.267 alunos. Atualmente, atende uma cidade do interior ao mês, durante o ano letivo. “A PMA investe em Educação Ambiental, por entender a necessidade de formar multiplicadores na busca da tão esperada transversalidade do tema Educação Ambiental, pois sabe que a prevenção por meio da Educação Ambiental é o caminho para a proteção dos recursos naturais em todo o mundo”, comenta o tenente-coronel. Todas as 25 sub-unidades da PMA no Estado desenvolvem trabalhos com punho educativo.

A meta da PMA é utilizar toda estrutura para chegar antes que o crime ocorra. “Esse é o objetivo da fiscalização, chegar antes que a degradação aconteça. Mas, quando não é possível, a PMA está preparada para reprimir, prender, multar e fazer tudo que couber na legislação contra os degradadores do nosso bem maior que é o meio ambiente saudável. Em razão disso, a PMA do Estado tem sido referência para forças policiais de outros Estados”, enfatiza o comandante.

A PMA também tem eficiência reconhecida nos trabalhos de combate aos desmatamentos ilegais, incêndios florestais, extração irregular de madeira, carvoarias e transporte de carvão irregulares, caça, erosão, tráfico de animais silvestres, atividades potencialmente poluidoras, outros crimes ambientais e também crime de natureza comum, como o tráfico de drogas, contrabando e outros, além de exercer a captura de animais silvestres nos centros urbanos, evitando perigo para a população e para os animais. Só em Campo Grande, são capturados em média cinco animais por dia.

Durante toda a semana a Companhia desenvolverá atividades em comemoração aos 25 anos (confira aqui). Hoje cerca de cem policiais doaram sangue no Hemosul. “ Esta ação serve para mostrarmos à sociedade que meio ambiente não se trata apena da fauna e da flora mas principalmente de seres humanos”, conclui o comandante Carlos Matoso.

PMA festeja 25 anos com campanha de doação sanguínea e Educação Ambiental

Histórico

Em 19 de março de 1987, a Companhia Independente de Polícia Militar Florestal foi criada pelo Comando Geral da Polícia Militar. Com sede em Corumbá, iniciou suas atividades com apenas 80 policiais militares.

No início, o policiamento e a fiscalização eram para coibir, de forma repressiva, a caça ao jacaré, no pantanal sul-mato-grossense, crime ambiental amplamente divulgado pela mídia local, nacional e até internacional, que colocava em dúvida o poder do Estado em manter a ordem no que se referia aos crimes ambientais, pois o órgão anterior perdera a guerra para os chamados “coureiros”.

Atualmente a PMA possui 360 homens distribuídos em 25 sub-unidades, sediadas em 21 municípios, responsáveis pela fiscalização ambiental de toda a extensão do Estado, que é de 358.158,8 km², sendo 86.260 só de Pantanal.

Veja também

Projeto Prorobalo Unesp de Registro capacita guias de pesca

É promovida a prática da pesca amadora responsável Projeto da Unesp de Registro vem promovendo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.