Pescadores de São Sebastião temem o pior com novo porto

Pescadores de São Sebastião temem o pior com novo porto

Os pescadores de São Sebastião estão preocupados com as notícias que envolvem o projeto de expansão do porto paulista e temem sofrer prejuízos irreparáveis caso os peixes sumam do local, consequência natural do aumento no fluxo de navios em circulação na região. O diretor da Cooperativa de Pesca de São Sebastião, Raphael Cliquet, lembra que, atualmente, cerca de 1,5 mil pessoas dependem da atividade pesqueira para garantir uma renda digna no final do mês no município. No entanto, nenhum pescador foi convidado a participar dos debates sobre a expansão do cais.

“Hoje, ganhamos, em média, de dois a três salários mínimos [algo entre R$ 930,00 e R$ 1.395,00]. E quando falamos em 1,5 mil pescadores, lembro que a maioria deles consegue trabalho sim, são ativos, dependem da pesca. Por isso digo que a situação dos pescadores não melhoraria com a expansão do porto. Ela pode, isso sim, prejudicar os estoques pesqueiros de determinadas espécies da região, graças ao fluxo excessivo de embarcações no Canal de São Sebastião. Hoje a atividade portuária esta razoavelmente compatível com a sustentabilidade da Cidade”.

Raphael Cliquet classificou o atual patamar de discussão com a Companhia Docas de São Sebastião como “praticamente zero”. Segundo ele, a Cooperativa de Pesca não foi chamada a participar das reuniões técnicas, audiências públicas e painéis sobre o tema. E os pescadores têm muito a falar. Principalmente sobre a proposta de aterramento do Mangue do Araçá, prevista no projeto preliminar de expansão do porto e que deixou ambientalistas em estado de atenção. O maior medo é que a diversidade de espécies vá para o ralo em poucos anos.

“Aterrar é ruim porque, além do local da ampliação ser mangue e uma ÁreaProjeto Porto São Sebastião de Preservação Permanente (APP), o Araçá serve de berçário de espécies da região, recursos estes que são retirados aos poucos pela correnteza do canal, alimentando o Litoral Norte. Seria muito ruim ver o sumiço dos poucos peixes que ainda existem no Canal de São Sebastião, que ainda sustentam muitos pescadores artesanais e tradicionais de nossa região, pescadores estes que fazem da pesca sua única fonte de renda”.

O diretor da Cooperativa de Pesca não descarta nem mesmo buscar a Justiça caso o projeto de expansão do Porto de São Sebastião deixe as pranchetas do Governo de São Paulo e seja transformado em realidade. “Definitivamente, nossa cidade não comporta tal ampliação, tão pouco possui mão de obra qualificada para lidar com os vários tipos de cargas. E sabemos que, além de tudo isso, o porto possui potencial para gerar ocupações desordenadas de pessoas que virão se instalar em busca de empregos”, entende Raphael.

Fonte: www.portodesaosebastiao.com.br

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.