Pescado, um novo vetor na economia do Brasil

A idéia foi mostrar a evolução dos recursos pesqueiros no mundo, a importância econômica do setor no Brasil

A Câmara Temática da Pesca e Aquicultura do Território “Vale do Ribeira promoveu a palestra sobre “Pescado, um novo vetor na economia do Brasil”, proferida pelo professor Luis Sabanay, assessor de Ação Estratégica e Articulação Institucional do Ministério da Pesca e Aquicultura. A palestra aconteceu no dia 5 de dezembro, em Registro e fez parte da programação da Expovale.

O evento contou na abertura com a prefeita de Registro, Sandra Kennedy Viana, o prefeito de Apiaí e presidente do Consad, Emilson Couras da Silva, o diretor do Departamento Municipal de Desenvolvimento Econômico, Daniel Nogueira, o prefeito de Juquiá, Merce Hojeije, o prefeito de Jacupiranga, professor Jesse, o presidente da Aquivale, Antônio de Pádua Nunes

Para o evento foram convidados todos os prefeitos do Território. Segundo o Articulador Territorial da Pesca e Aquicultura – Vale do Ribeira – SP, Guillermo Denaro, a ideia foi mostrar a evolução dos recursos pesqueiros no mundo, a importância econômica do setor no Brasil, a situação antes e depois da existência do ministério, o potencial de crescimento, os desafios e perspectivas. Ainda segundo Deanaro, no Vale do Ribeira o Colegiado Territorial denominado “Câmara Temática da Pesca e Aquicultura” já organizou um “Programa Territorial de Desenvolvimento Sustentável da Pesca e Aquicultura” que foi apresentado ao Ministro Altemir Gregolin no “1º Encontro Nacional dos Territórios da Pesca e Aquicultura” em Itajaí – SC.

Este programa contempla o frigorífico de Jacupiranga como empreendimento estratégico capaz de articular o setor, tanto da pesca artesanal, quanto da Aquicultura, cujo anúncio de liberação da reforma se deu durante a palestra. “É de conhecimento público que este empreendimento foi construído com recursos federais e nunca funcionou, pois foi projetado sem um plano de negócios e o mais grave é que este empreendimento estava dirigido à produção de filé de Tilápia cultivada”, diz.

Ele explica ainda que o que ocorre é que para tirar um filé, a tilápia deve alcançar um peso mínimo de 700 gramas e isto a deixa muito cara, portanto o filé se tornava pouco competitivo no mercado aberto diante de filé de peixe importado. “Deste modo dificilmente o frigorífico iria funcionar, ainda mais sem contar com um mercado institucional.

Assim sendo, para que este empreendimento se torne produtivo foi necessário articulá-lo com a política de combate à fome praticada pelo Governo Federal, deste modo o novo projeto para fazer funcionar o frigorífico está dirigido também à produção de polpa destinada à alimentação escolar, que vai absorver tanto o pescado cultivado por aproximadamente 800 aquicultores, quanto o pescado capturado pelos mais de 3.500 pescadores artesanais dos municípios de Peruíbe, Ilha Comprida, Iguape e Cananéia”.

Denaro explica ainda que “estimulados pela política de desenvolvimento local desenhada pelo Ministério da Pesca e Aquicultura e contando com a Política de Alimentação Escolar praticada pelo Governo Federal, hoje esse frigorífico – desde que seja assinado o convênio que tramita na esfera desse Ministério – finalmente poderá servir ao desenvolvimento da economia do Vale contribuindo com o esforço de garantir segurança e soberania alimentar ao povo brasileiro e distribuir renda aos pescadores e aquicultores”, finaliza.

Em sua explanação, Sabanay falou do aumento do consumo do pescado no País nos últimos dos anos que aumentou em 6,3 para 9,2%, em relação ao consumo de proteína de carne vermelha, assim como o crescimento da aqüicultura em 43,8%, entre 2007 e 2009. Também fez questão de frisar o crescimento econômico do Vale do Ribeira. “A região de maior empobrecimento hoje apresenta indicadores de superação e começa a reverter os quadros de pobreza. Há indicadores reais de desenvolvimento”.

Sabanay vê que o Vale do Ribeira precisa de mais alimento com qualidade e geração de emprego e renda para a população”.

Para o prefeito de Juquiá no Vale do Ribeira havia falta de investimentos na comercialização e confiança na produção, mas ele vê que com o apoio do Consad na parte técnica e Codivar pode fazer da pesca um grande investimento econômico. Para Emilson Couras, presidente do Consad, a utilização do pescado na alimentação escolar é um grande avanço e que deve ser encorajado em todo o Vale do Ribeira.

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.