Pesca esportiva gera práticas sustentáveis em Barcelos

O sistema será útil não só para fomentar o turismo em Barcelos, como também, para o desenvolvimento de atividades sustentáveis no município

A crescente preocupação com a conservação da floresta amazônica e de seus recursos naturais incentiva a busca por alternativas de atividades mais sustentáveis. Em Barcelos, a 396 km da capital do Amazonas, Manaus. A pesca esportiva é a maior atração turística do local e destaca-se por uma característica especial muito valorizada por seus praticantes o pesque-e-solte.

A atividade é responsável por pelo menos 80% da economia do município, e movimenta quase U$ 2 milhões por ano. Pensando nisso, a Prefeitura de Barcelos e o Instituto de Inteligência Socioambiental Estratégica da Amazônia (I-PIATAM) trabalham em conjunto na implementação de medidas sustentáveis que impulsionem a economia e a melhoria da qualidade de vida dos moradores da região. Trata-se do pagamento por serviços ambientais (PSA) a ser cobrado pelo município de Barcelos dos praticantes de pesca esportiva.

O sistema PSA é amparado pela Lei municipal nº 502, de 3 de agosto de 2010, que institui o pagamento por serviços ambientais cobrado individualmente de cada praticante da pesca esportiva como preço público de R$ 38,31 a cada dia de permanência. O serviço, que entrou em funcionamento a partir do dia 1º de setembro, foi desenvolvido por meio do Termo de Cooperação nº 11/2010 firmado entre o Instituto PIATAM e Prefeitura de Barcelos, objetivando a cooperação técnico-científica e socioambiental no município.

Segundo, Alexandre Rivas, presidente do Instituto Piatam, o sistema tem o objetivo de proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas e ainda, de preservar as florestas, a fauna e a flora no seu espaço territorial.

O sistema será útil não só para fomentar o turismo em Barcelos, como também, para o desenvolvimento de atividades sustentáveis no município, de maneira que a qualidade de vida possa melhorar, mas sem os impactos negativos para o ecossistema”, acrescenta Rivas.

Além disso, a implantação do sistema atende o propósito de coibir a prática de atividades ilegais as quais são uma constante ameaça para a manutenção da qualidade ambiental.

De acordo com os procedimentos do sistema, ao desembarcar na cidade, os turistas serão encaminhados ao Centro de Atendimento do Turista (CAT) para serem cadastrados. Após informar os dias previstos de permanência, receberão uma pulseira de cor verde, identificando-o como turista autorizado pelo Município a se beneficiar dos serviços ambientais de Barcelos relativos à pesca esportiva.

O pagamento pode ser realizado ao chegar a Barcelos no CAT, ou antes, do praticante chegar ao município, por meio da homepage (www.peacockbassbarcelos.com ou tucunarebarcelos.com.br), que poderá ser feito via cartão de crédito, boleto bancário e transferência bancária.

Daniela Feitosa
Assessoria de Comunicação
Instituto  de  Inteligência Socioambiental  Estratégica  da  Amazônia
www.peacockbassbarcelos.com.br/

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.