Peixes-bois são reintroduzidos na natureza


Quatro peixes-bois se despediram nesta quarta-feira (30/04) do Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), em Itamaracá (PE) e ganham novamente a liberdade. Os animais, batizados de Arani, Aira, Potiguar e B5 foram reintroduzidos no seu habitat natural. Inicialmente, eles serão colocados em um recinto natural no Rio Tatuamunha, em Porto de Pedras, no litoral norte de Alagoas.

O recinto fica dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) Costa dos Corais, numa região preservada, com a presença de alimentos para a espécie, como capim agulha, algas e folhas de mangue, transição de água salgada e doce e área de mangue. O local foca próximo do espaço onde deve ser instalada uma base avançada do CMA. Lá, eles passarão por uma fase de adaptação e aprenderão a buscar seu próprio alimento e água doce por um período de aproximadamente 90 dias. Depois, serão soltos e monitorados.

Com a reintrodução do quatro animais, o CMA chega à marca de oito peixes-bois devolvidos à natureza em um só mês. No dia 28 de março, quatro animais foram deixados num cativeiro natural na base do CMA em Barra de Mamanguape, no litoral da Paraíba. Esta é a maior reintrodução de animais da espécie já feita no Brasil.

A viagem de Itamaracá até Porto de Pedras terá começa na noite da quarta (30) e se estende até a manhã da quinta (1º de maio). Os peixes-bois serão transportados em dois caminhões, dentro de piscinas de fibra de vidro. No trajeto, eles serão monitorados por veterinários e tratadores, que registrarão dados como batimentos cardíacos e freqüência respiratória. Além disso, terão o corpo umedecido e receberão uma camada de óleo vegetal sobre a pele, para protegê-los do ressecamento. Seis outros carros acompanham os caminhões, numa operação que envolve mais de 30 pessoas.

De Itamaracá, o comboio vai para Japaratinga, de onde segue, de barco, até Porto de Pedras. No Rio Tatuamunha, uma equipe do Instituto Chico Mendes coordenará, durante toda a manhã do dia 1º, atividades envolvendo as comunidades e escolas da região, com visitas programadas ao recinto de readaptação onde os peixes-bois serão deixados.

O peixe-boi marinho (Trichechus manatus) é a espécie de mamífero aquático mais ameaçada de extinção no Brasil. Chega a medir quatro metros e a pesar até 700 quilos. O animal é exclusivamente herbívoro, tem hábitos costeiros e precisa de água doce para sobreviver. A principal causa de extinção foi a caça. Atualmente, a preservação dos habitats dos peixes-bois é determinante para a conservação da espécie.

Da Redação do PERNAMBUCO.COM

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.