Pará – Governo garante 550 toneladas de pescado na Semana Santa

Ação integra o programa “Pescado na Mesa do Povo”

Trinta e oito municípios paraenses, incluindo a capital, irão dispor de 550 toneladas de pescado, a preços bem acessíveis, para abastecimento da população na Semana Santa. A ação integra o programa “Pescado na Mesa do Povo”, coordenada pela Secretaria de Estado de Pesca e Aquicultura (Sepaq).

Em Belém, as Feiras do Peixe e do Peixe Popular ocorrerão nos dias 20 e 21 de abril em 15 locais (ver relação abaixo). Em todos eles a comercialização vai iniciar a partir das sete horas da manhã, exceto o Posto da Ceasa, que iniciará de madrugada. Este ano, os compradores terão a opção de mais dois novos postos no centro da cidade: um no Curro Velho e outro no estacionamento do Centur.

Segundo o secretário adjunto da Sepaq, Henrique Sawaki, a população de Belém vai dispor de 90 toneladas de pescado, sendo 70 toneladas de peixe popular e 20 de peixe vivo. “O peixe popular deverá ficar entre 4 e 5 reais o quilo. Já o peixe vivo vai girar em torno de 7 a 8 reais”, informou Sawaki.

A garantia desse abastecimento à população será dada pelo decreto do governador Simão Jatene, que entrará em vigor dezoito dias antes da Semana Santa, a fim de evitar a saída de pescado do Estado, viabilizando o consumo da população paraense.

Na manhã desta terça-feira (15), a coordenadoria de pesca da Sepaq reuniu no auditório de sua sede com diversos órgãos envolvidos na fiscalização e transporte do pescado que será comercializado nas feiras. Participaram do encontro representantes da Secretaria de Saúde (Sespa), da Fazenda (Sefa), de Meio Ambiente (Sema), Adepará, Polícias Rodoviárias Federal e Estadual, Ambiental, Fluvial, Delegacia de Proteção Ambiental (Dema), Dieese, Procon, Secretaria de Economia do Município de Belém (Secon) e Ibama.

Os municípios onde o pescado deverá ser comercializado a preços populares são: Abaetetuba, Acará, Afuá, Altamira, Ananindeua, Augusto Corrêa, Baião, Benevides, Bragança, Breu Branco, Cachoeira do Arari, Cametá, Capanema, Castanhal, Colares, Conceição do Araguaia, Curralinho, Igarapé Miri, Jacundá, Limoeiro do Ajuru, Marapanim, Marituba, Moju, Monte Alegre, Óbidos, Oeiras do Pará, Paragominas, Portel, Salinópolis, Santa Barbára, Santa Luzia do Pará, Santarém, São Caetano de Odivelas, São Domingos do Capim, São João de Pirabas, Soure e Tucuruí.

Secom

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.