Operação Tucuxi é finalizada com 110 km de redes apreendidas e incineradas no PA

redes-apreendidasBelém – A Gerência do Ibama em Marabá contabiliza mais de 110 km de redes apreendidas e incineradas durante a Operação Tucuxi, finalizada no mês passado, na região denominada “bico do papagaio”, localizada na tríplice divisa Pará/Maranhão/Tocantins, até o lago da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará.

Segundo o coordenador da operação, o técnico ambiental do Ibama Paulo Almeida, além das redes de pesca foram apreendidas 15 toneladas de diversas espécies de peixes. “Apreendemos mapará, mandi moela, branquinha, voador, jaraqui, dentre outros que foram integralmente doados a instituições beneficentes ou bairros em que há predominância de pessoas de baixo poder aquisitivo”, conta Almeida.

Além das redes e peixes, foram apreendidos apetrechos utilizados para a pesca ilegal, durante as interceptações de várias embarcações e veículos que realizavam transporte de pescado. Também foram encontrados apetrechos abandonados pelos infratores após perceberem a ação fiscalizatória.

Indústria de pesca e trabalho escravo

A Operação Tucuxi diagnosticou que a indústria da pesca se organizou e se peixes-apreendidosfortaleceu tendo como lastro uma sequência de relações comerciais que beiram o trabalho escravo. Segundo os pescadores entrevistados pelos fiscais do Ibama, a cadeia pesqueira é dividida em vários elos: as indústrias processadoras, os atravessadores e os pescadores.

Os atravessadores aliciam os pescadores, oferecendo material para a pesca: combustível, redes e alimentação, que deverão ser pagos “aos poucos”, com a pesca. “Porém, os atravessadores pagam aos pescadores um valor muito inferior ao que os peixes valem no mercado e, com isso, os pescadores nunca conseguem pagar as dívidas, que só vão acumulando a cada pesca realizada”, explica o analista ambiental do Ibama Gudmar Dias.

Dados da Operação Tucuxi
A Operação Tucuxi, coordenada pela Gerência do Ibama em Marabá para fiscalizar o transporte de pescado em função da piracema está atuando na região desde o dia 8 dezembro de 2008, com a parceria do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) e Eletronorte, que dispuseram seus veículos, barcos e lanchas para a realização destas ações, encerradas no começo deste mês.

Luciana Almeida
Ascom/Ibama/PA

Fotos: Gudmar Dias

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.