Operação combate tráfico internacional de alevinos de aruanã na Amazônia

Durante a Operação Macaco D’Água, realizada por equipe interinstitucional do Ibama, ICMBio, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, Polícia Federal e Força Nacional, foram flagranteados no Município de Fonte Boa-AM grupos de pescadores que capturavam alevinos de aruanã (Osteoglossum bicirrhosum) para comercializá-los como peixes ornamentais em Tabatinga, de onde seriam exportados para Colômbia e Peru, depois Estados Unidos, Europa e Ásia.

Todos os pescadores e seus líderes foram autuados pelo Ibama por pesca ilegal e por terem penetrado em Unidade de Conservação da Natureza sem autorização. Todos os petrechos, embarcações e equipamentos utilizados como instrumentos do crime ambiental foram apreendidos. 13 homens e duas mulheres foram presos e responderão à justiça por crime ambiental e formação de quadrilha.

Foram encontrados sob posse dos infratores 4.819 alevinos, dos quais 1.715 foram devolvidos a seu habitat natural, enquanto o restante foi entregue para fins científicos ao Instituto Mamirauá em Tefé-AM.

A Operação combate, ainda, a pesca e o transporte ilegais de pirarucu (Arapaima gigas) e tambaqui (Colossoma macropomum), além de outras infrações e crimes praticados contra a fauna e a flora. As multas aplicadas passam de um milhão de reais.

Os alevinos de aruanã cobiçados pelo tráfico internacional possuem em média cinco centímetros e sua captura é feita a partir do abate do macho, que abriga os alevinos na boca até que possam sobreviver na natureza sem a proteção paterna. O abate é feito com petrechos artesanais como flecha, arpão e zagaia. Os alevinos são mantidos em sacos plásticos com auxílio de aplicações diárias de oxigênio enquanto são transportados. A cadeia de comercialização inicia com o preço de R$ 1,00 nos locais de pesca, R$ 2,50 para Colômbia e Peru, e US$ 7,00 para os mercados norte-americano, europeu e asiático.

A Instrução Normativa do Ibama/AM nº 01/2001 proíbe a captura de alevinos de aruanã, já que estabelece o tamanho mínimo de 44 cm para a captura da espécie. Entretanto, na região do médio Solimões essa prática é recorrente nesta época do ano, principalmente na Reserva Estadual de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e na Reserva Extrativista Auati-Paraná (Reserva Federal).

Macaco D’água: é como os ribeirinhos do médio Solimões também denominam o peixe aruanã.

Geandro Pantoja – Ibama/AM
Fotos: Geandro Pantoja, Andrey Augusto, Robin Botero-Arias e Paulo Faiad.

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.