Naturatins inutiliza material irregular apreendido durante a Piracema

Entre os materiais inutilizados, danificados e lançados no aterro destacam-se mais de 534.381 metros de redes malhadeiras, 53 tarrafas

Com intuito de dar transparência às ações realizadas durante o período da Piracema, quando ficou proibida a pesca nos rios e lagos do Estado, o Naturatins – Instituto Natureza do Tocantins realizou na tarde desta segunda-feira, 12, a inutilização de todo material apreendido pelas 16 Gerências Regionais do órgão no Aterro Sanitário, em Palmas.

Durante a entrega do material, foi assinado um Termo de Inutilização entre o responsável do Aterro Sanitário, José Ribamar, a coordenadora de Fiscalização do Naturatins, Cleivanice Barbosa, e sua equipe. Segundo a coordenadora, o documento comprova que os materiais apreendidos foram deteriorados.

Foram mais de 200 operações realizadas nesses três meses da Piracema, entre 1º de novembro e 29 de fevereiro, período de reprodução dos peixes e proibição da pesca nos rios e lagos interiores do Estado. Entre os materiais inutilizados, danificados e lançados no aterro destacam-se mais de 534.381 metros de redes malhadeiras, 53 tarrafas, 2.124 metros de espinhéis, além de diversos materiais predatórios que eram utilizados para pesca predatória. A ação ainda contou com a colaboração de agentes da prefeitura, com o manuseio de máquinas retroescavadeiras.

De acordo com Cleivanice, as ações de fiscalização serão mantidas e a estratégia será reforçar a atuação do órgão em regiões onde a pesca predatória é mais intensa. “Depois do período da Piracema, o órgão ambiental, junto aos parceiros, vai continuar trabalhando com objetivo de coibir a pesca predatória, entre outros crimes ambientais”, destacou.

No período, o Naturatins contou com parcerias dos agentes da Cipama – Companhia Independente da Polícia Militar Ambiental, da Dema – Delegacia Estadual de Meio Ambiente, das Polícias Rodoviária Federal e Militar, do Ibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, da Guarda Metropolitana de Palmas, entre outros.

Comparativo

A última inutilização ocorreu em agosto do ano passado, referente ao material apreendido antes da Piracema. Na ocasião o órgão inutilizou 18.200 metros de redes malhadeiras, entre outros materiais utilizados na pesca predatória.

 

Secom

Foto por: Melissa Decaria/Naturatins

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.