Mortandade de peixes na fronteira Brasil-Bolívia

XAPURI, AC – Agrava-se a mortandade de peixes no rio Chipamanu, na comunidade de Piçarreira, na fronteira entre o Brasil e a Bolívia. Há uma semana, espécies de traíras, mandis e surubins começaram a aparecer agonizantes nas margens do rio, sem nenhum motivo aparente. Moradores informam que começaram a morrer peixes pequenos, entre os quais, mandis e traíras, e agora, até surubins, peixes maiores. Doze 12 famílias da região, na divisa entre os municípios de Xapuri e Capixaba, estão sendo prejudicadas pela situação.

Há informações de que ocorre morte de peixes também no rio Ina, que deságua no Chipamanu a cerca de duas horas de barco acima da Piçarreira. O surubim (também conhecido por surubim-chicote, surubim-lenha e peixe-lenha) é um peixe de couro de grande porte, podendo alcançar mais e 1,50m de comprimento total. Tem o corpo alongado e roliço, a cabeça achatada e mais larga que o resto do corpo. Seu focinho é arredondado. O maxilar superior é maior que a mandíbula deixando aparecer uma placa de dentes diminutos quando a boca está fechada. Tem barbilhões longos. Sua cor é cinza-escuro com uma faixa clara e estreita que se estende da nadadeira peitoral até o meio da nadadeira caudal. Principalmente a região dorsal e as nadadeiras são cobertas por pintas escuras.

Pesca predatória

Os ribeirinhos suspeitam de alguma relação entre esse fenômeno e a constante presença de pescadores naquela região. O fato causa estranheza e preocupação para os ribeirinhos que estão evitando consumir a água do rio por temerem algum tipo de contaminação. As aulas na escola que atende as crianças das comunidades podem ser paralisadas, porque a merenda escolar é preparada com a água do rio.

O diretor-técnico do Imac, Fernando Lima, informou que uma equipe viajou para a região para estudar as causas da mortandade. Constatou-se que os ribeirinhos já vinham enfrentando um grave problema relacionado à pesca predatória praticada por pessoas que chegam de outros municípios, principalmente de Rio Branco. Eles são acusados de retirar farta quantidade de várias espécies de peixes para a venda em restaurantes da capital.

RAIMARI CARDOSO Editor do blog Xapuri Agora .

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.