Ministro palestra em Congresso de Oceanografia no RS e libera R$6,1 milhão para a pesca e a aquicultura

Seis milhões e cem mil reais foram liberados através de convênios nesta segunda-feira, 17/05, pelo ministro da Pesca, Altemir Gregolin, em Rio Grande (RS), para a pesquisa do pescado e para a realização do 4º Congresso Brasileiro de Oceanografia. O ato ocorreu durante a abertura do evento, que reúne durante cinco dias mais de 3.000 congressistas de todo o Brasil.

Durante sua estada em Rio Grande, o ministro vistoriou as obras de reforma e modernização da Estação de Maricultura, centro que forma profissionais da área e desenvolve pesquisas para a reprodução de diversas espécies do pescado como o camarão, o bijupirá e o linguado, cuja produção tem alta rentabilidade e demanda e que ainda esbarra na falta de conhecimento para seu cultivo em cativeiro, estudos que estão sendo feitos na estação.

Para a Estação de Maricultura estão sendo destinados quase R$4 milhões de reais, recursos investidos nas instalações, nos laboratórios de pesquisas, o que vai contribuir para a formação de profissionais de vários estados que recorrem à escola gaúcha em busca de aperfeiçoamento sobre a reprodução de espécies em águas marinhas.

“Nós ficamos muito felizes quando vemos as obras acontecerem e ao sabermos o quanto uma escola como esta contribui para o desenvolvimento do setor”, destacou o ministro Gregolin. Os professores do centro foram unânimes ao afirmar que com os recursos do Ministério da Pesca, a “escola entra em um novo momento” e passa a criar as condições para realizar grandes experimentos com várias espécies nobres do pescado.

Já para a pesquisa da anchoíta, uma espécie ainda pouco explorada nas águas marítimas, o Ministério da Pesca está investindo R$4 milhões, a fim de desenvolver tecnologias para a captura desta espécie cujos estoques têm grande potencial.

Pouco depois da visita à escola, o ministro juntamente com o reitor da Universidade Federal de Rio Grande (Furg) João Carlos Cousin, conheceu a estrutura do Pólo Naval local. Gregolin conferiu a grandiosidade das obras que estão sendo feitas no local, como a fabricação de navios e plataformas de petróleo, fazendo do pólo uma referência nacional na produção de estruturas marítimas, seja para o transporte seja para a prospecção de produtos combustíveis.

À noite, o ministro palestrou para os três mil congressistas que até dia 21/05 participam do Congresso Brasileiro de Oceanografia, cujo curso em Rio Grande completa 40 anos de existência. No evento, Gregolin liberou R$300 mil para a realização do encontro, que reúne pesquisadores, técnicos, alunos e professores de todos os estados brasileiros.

Em sua palestra, o ministro destacou as políticas do Ministério da Pesca para o setor, com a quais “o Brasil está rompendo a barreira do consumo do pescado, e investindo mais do que nunca na produção”. Gregolin destacou como ações fundamentais realizadas nos últimos anos para estruturar o setor, a criação do Ministério da Pesca, a aprovação da Lei da Pesca, a nova Embrapa Pesca e Aquicultura e a formação de técnicos em parceria com o MEC.

O ministro também destacou como elementos fundamentais para consolidar a pesca e aquicultura o concurso público, cujas inscrições estão abertas, e a aprovação de um marco legal para a cessão de águas da União à produção de pescado em tanques-rede. “Estamos estruturando o setor como um todo, tendo como pilares a sustentabilidade, a inclusão social, o compartilhamento, a valorização de quem produz e a geração de emprego e renda”, resumiu Gregolin.

MPA

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.