Mil caranguejos são devolvidos aos mangues em Bragança

Nos últimos dias do primeiro período do defeso do caranguejo no Pará, 20 e 21 de janeiro, cerca de 1000 caranguejos foram devolvidos aos mangues do município de Bragança, a 215 km da capital paraense. Moradores das comunidades de Bacuriteua e do Acarajó foram encontrados com várias “peras de caranguejo” (nome dado ao carregamento de 14 unidades de caranguejo amarrados para venda) na estrada de Ajuruteua.

Os caranguejos estavam sendo transportados em bicicletas ao longo da estrada, que tem cerca de 40 km de extensão, quando os técnicos ambientais da Sema e policiais do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) surpreenderam os infratores. No primeiro caso, o morador de Bacuriteua que carregava cerca de 200 caranguejos, afirmou que os crustáceos seriam para consumo da família. No segundo, justificativa semelhante foi dada, mas em ambas as situações ficaram constatadas a intenção de venda.

De acordo com a gerente de Fauna da Sema, Simone Linhares, nos três últimos dias de cada defeso, não é aceitável sequer o estoque do caranguejo. “Que se dirá do consumo ou venda, como era o caso dos extratores das duas comunidades. Por isso, apreendemos os caranguejos na hora, e como a equipe estava na estrada, que é toda rodeada de mangues, fizemos a devolução ali mesmo“, afirmou.

Próximo defeso – Os técnicos da Gerência de Fauna e Recursos Pesqueiros (Gefau) da Sema irão fazer novas fiscalizações a partir de 31 deste mês, que se estenderão até o dia 5 de fevereiro. Nesse período, é proibida a captura dos crustáceos, porque é a época de reprodução da espécie.

Os vendedores podem adquirir caranguejos e declarar seu estoque até o dia 30 de janeiro, que devem ser transportados, estocados, vendidos e consumidos até o dia 2, sob pena de terem seus produtos apreendidos e ainda serem autuados pelo crime ambiental.

Ascom/Sema

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.