Mato Grosso sedia II Congresso Brasileiro de Produção de Peixe Nativo

No período de 25 a 28 de agosto de 2009 Cuiabá será sede do II Congresso de Produção de Peixe Nativo de Água Doce e o I Encontro Mato- Grossense de Aquicultura , em uma promoção da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República (SEAP),da Sociedade Brasileira de Aquicultura e Biologia Aquática (Aquabio), EMBRAPA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), com realização da AQUAMAT, UFMT e UNEMAT, com previsão de 1000 participantes. O evento foi anunciado na tribuna livre da Câmara Municipal de Cuiabá na última terça-feira (28-04), pela diretora administrativa da Associação dos Aquicultores de Mato Grosso, Maria da Glória Bezerra Chaves.

O Estado de Mato Grosso é hoje o maior produtor de peixes nativos do Brasil, principalmente o híbrido Tambacu, resultado do cruzamento do Pacu com o Tambaqui.O crescimento dessa atividade , segundo o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE deu-se principalmente à ação empreendedora dos produtores rurais que entraram na atividade com pouco ou nenhum conhecimento técnico sobre o negócio e obtiveram resultado o que fez surgir núcleos de produção, principalmente na baixada cuiabana onde, em função da densidade demográfica maior, o mercado consumidor é mais atraente.
A representante da associação disse aos vereadores que as parcerias possibilitam a implementação de projetos de aquicultura, com estrita observância da legalidade e do tripé da sustentabilidade, trazendo desenvolvimento para a capital e melhoria da qualidade de vida de sua população.

“O poder público despertou pela necessidade de incentivar e apoiar a aquicultura e isso já está sendo feito”, disse. Entre as ações ela destaca o Projeto Peixe Santo do município de Cuiabá e a criação da Câmara Técnica da Aquicultura pelo governo do Estado de Mato Grosso, na Secretaria de Desenvolvimento Rural e o governo federal através da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca, entre outras ações a criação da Semana do Peixe.

Através de pesquisa foi constatado que o mercado está mais para procura que oferta, com pressão para aumento do preço atualmente praticado. “Isto significa que ainda há muito espaço para aumento da produção de peixe, para consumo local, antes de se pensar em exportação para outros mercados consumidores do Brasil e outros países”.

Outro fator importante é a determinação da União da inclusão do peixe no cardápio da merenda escolar,objetivando a melhoria na qualidade do alimento servido as crianças, além de gerar emprego e renda localmente.” Entretanto, devemos ser criteriosos para aumentar a produção sempre nos lembrando do tripé da sustentabilidade”, observou.

Fonte : Câmara Municipal de Cuiabá

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.