Louisiana – Liberada pesca em águas com petróleo

O petróleo que flutua nas águas norte-americanas do Golfo do México é um remanescente do vazamento da empresa British Petroleum (BP). Mas ali é possível pescar.

Enormes manchas de petróleo aparecem à simples vista, sobrevoando o delta do Rio Mississippi. Mas as autoridades do Estado de Louisiana autorizam a pesca em boa parte dessa área. O Terramérica percorreu a área em avião no dia 23. Quatro dias antes, o coordenador federal da limpeza do vazamento causado pela multinacional British Petroleum (BP), Paul Zukunft, declarou que havia pouco petróleo recuperável na superfície do Golfo do México.

O petróleo começou a vazar no dia 20 de abril, quando a plataforma de exploração Deepwater Horizon, que a BP arrendava da empresa suíça Transocean, explodiu e, dois dias depois, afundou. Apenas em julho foi possível deter o vazamento. Para alguns, foi o mais grave da história, embora ainda seja difícil estimar quanto petróleo se misturou às águas.

A East Bay e a West Bay são duas baías que, como indicam seus nomes, ficam a leste e oeste do Southwest Pass, o principal canal de navegação na desembocadura do Mississippi, no Golfo do México. Entre as duas, são cerca de 112 quilômetros quadrados de águas. Enquanto East Bay está fechada para a pesca, West Bay estava aberta quando o Terramérica divisou a mancha, embora um dia antes o pessoal de limpeza da BP tivesse informado a um jornal local que ali havia petróleo.

“Literalmente, vão pescar petróleo”, disse durante o voo o ativista Jonathan Henderson, da Gulf Restoration Network, ao ver alguns camaroneiros trabalhando na área coberta de petróleo. Também preocupa o efeito dos dispersantes tóxicos que a BP empregou para mandar o combustível para as profundezas.

“O colapso do ecossistema causado pelo uso de dispersantes terá efeitos imediatos e de longo prazo para as tradicionais comunidades pesqueiras do Golfo do México”, disse ao Terramérica Clint Guidry, da Associação de Camaroneiros da Lousiana. “Desde o primeiro dia, há uma operação de relações públicas para diluir a responsabilidade da BP. O departamento de relações públicas disse que a área é segura para pescar e que é seguro comer o que for pescado, mas essa não é a realidade”, afirmou.

As águas de East e West Bay estão sob jurisdição do Departamento de Vida Silvestre e Pesca da Louisiana (LDWF), enquanto a área mais afastada da costa pertence à órbita federal. No mesmo dia em que o Terramérica avistou a mancha de combustível, um piloto do LDWF havia sobrevoado a área e afirmado que não havia petróleo. Este funcionário “deveria ter fechado a baía para pesca” e não o fez, disse Henderson. “Não entendo como pode ter sobrevoado a área e não ver a mancha. É um ato criminoso”, acrescentou.

O Terramérica tentou, sem êxito, comunicar-se com o funcionário do LDWF. A resposta foi que “não estava disponível para dar declarações”. O site do LDWF tem um número de telefone para informar o encontro de restos de petróleo. Quando o Terramérica ligou, a resposta veio de um centro de chamadas da BP. No dia 23 de outubro, a guarda-costeira indicou que a substância que flutuava em uma extensa área de West Bay era um “banco de algas”.

“A guarda-costeira deveria mudar a cor de seu uniforme, porque trabalha para a BP. Sabemos disso desde que tudo começou. Ninguém acredita em nada do que dizem sobre este desastre petroleiro”, disse Dean Blanchard, dono da empresa pesqueira Dean Blanchard Seafood Inc., de Grand Isle. “Eu recolhi um pouco de água e tinha aspecto de petróleo, parecia petróleo, tinha um vermelho amarronzado, como todo petróleo que vimos misturado à água”, disse ao Terramérica o pescador David Arenesen, de Venice.

A camada de petróleo “tinha espessura de, pelo menos, 2,5 centímetros e se estendia por milhas”, acrescentou. O pescador Gary Robinson, que se dedica à captura de cavala nas proximidades de Venice, disse ao Terramérica que nunca vira uma mancha como essa, que, segundo ele, tinha mais de 12 centímetros de espessura. A área de East Bay parece estar coberta por um petróleo degradado em várias cores.

Em uma viagem de cruzeiro de um mês, pesquisadores do Estado da Georgia detectaram petróleo no fundo marinho, supostamente do vazamento da BP. Embora funcionários do governo duvidem que haja combustível no leito do mar, os cientistas disseram que as amostras exalavam o mesmo cheiro de “uma oficina mecânica”. Os pesquisadores pegaram 78 amostras de sedimentos, e apenas cinco continham organismos vivos. Todas deveriam ter formas de vida, disse a cientista Samantha Joye, da Universidade da Georgia. A área afetada é um “cemitério de macrofauna”, acrescentou.

NOVA ORLEANS, Estados Unidos, 1º de novembro, (IPS) – (Tierramérica)

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.