Imbé – tainhas no meio da rua

Às 3h desta quarta, a água da chuva atravessava o terreno da casa de uma família de pescadores de Imbé, em direção ao Rio Tramandaí. A chuva criou outro rio, sobre a Avenida Rio Grande. Ao olhar para a avenida, o estudante Patrick Rodrigues, de 17 anos, avistou uma tainha nadando sobre o asfalto. Ele correu para dentro de casa e buscou uma rede. Logo depois, tinha pescado o peixe.

– Logo em seguida, vi que tinha uma tainha maior ainda – lembrou o jovem.

A mãe dele, a pescadora Claudete de Oliveira Rodrigues, de 41 anos, assumiu a missão de pegar a maior. Com uma tarrafa, catou o peixe.

– É a terceira vez que pego um peixe assim. Sempre que chove muito o braço morto transborda – explicou Claudete.

Os peixes terão um destino certo nesta quarta-feira.

– Pretendo dormir um pouco, acordar e fazer de almoço as tainhas fritas – disse a pescadora

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.