Grupo técnico discute pesca amadora no Brasil

O grupo técnico do CONAPE deverá centralizar inicialmente seu debate em torno dos conceitos e das definições aplicados à pesca amadora nacionais

Nesta sexta-feira, dia 17 de dezembro, o grupo técnico da pesca amadora (GT/Pesca Amadora), vinculado ao Conselho Nacional de Aquicultura e Pesca (CONAPE), se reunirá pela primeira vez, em Brasília.

Este grupo de trabalho – criado ainda este mês pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), através da portaria de nº 525 – tem a missão de subsidiar as políticas públicas voltadas à pesca amadora, considerando a legislação brasileira e estudos de caso em outros países de referência no assunto.

O grupo técnico é integrado por 15 pessoas. Quatro membros são do CONAPE, três representam o Ministério da Pesca e Aquicultura, dois a comunidade científica e seis as diferentes modalidades da pesca amadora.

A criação do grupo é um desdobramento do Iº Encontro Nacional da Pesca Amadora, realizado em setembro deste ano, na capital federal. Participaram do evento interessados de todo o País, como praticantes, autoridades e representantes da cadeia produtiva da pesca amadora. Uma das resoluções do encontro foi a criação do referido grupo técnico.

Novas idéias e conceitos

O grupo técnico do CONAPE deverá centralizar inicialmente seu debate em torno dos conceitos e das definições aplicados à pesca amadora nacionais.

No grupo técnico da pesca amadora, o CONAPE tem representantes da Confederação Nacional dos Pescadores e Aquicultores (CNPA), através de Ivo de Faria, do Conselho Nacional de Pesca e Aquicultura (CONEPE), por meio de Flávio Leme, e da Associação Brasileira de Engenheiros de Aquicultura (Abeaqui), através deGeraldo Bernardino. O conselho nacional é representado também pelo próprio secretário e coordenador do GT, Francisco Álvaro Veríssimo.

Já o MPA tem representantes de sua Secretaria de Planejamento e Ordenamento da Pesca (Fernando José Polli), do Departamento de Planejamento e Ordenamento da Pesca Artesanal (Dimitrius Gabriel) e do Departamento de Monitoramento e Controle (Michel Lopes Machado).

Os representantes da comunidade científica são Kátia Freire, da Universidade Federal de Sergipe, e Agostinho Catella, da Embrapa Pantanal.

Representam o setor da pesca amadora João Carlos Kruel, da Associação de Pescadores Esportivos de Goiás; Luciano José Bressani Allgayer, da Associação Capixaba de Pesca Subaquática e Defesa do Meio Ambiente; Eduardo Paim Bracony, da Confederação Brasileira de Pesca e Desportos Subaquáticos (CBPDS); Hélcio Honda, da Associação Nacional de Ecologia e Pesca Esportiva; Gilberto Antonietto, da Liga Paranaense de Pesca Esportiva (LPPE); e Rubens Sampaio de Almeida Prado, do meio de comunicação Pesca Alternativa.

MPA

Veja também

Tubarão-lixa

Brasil consegue reprodução de tubarão lixa em cativeiro

Um casal de tubarões-lixa (Ginglymostoma cirratum) se reproduziu pela segunda vez no Brasil, em tanques …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.