Greve já faz faltar peixe no mercado em Santa Catarina

Empresas articulam a compra do produto em outros estados para atender a demanda local

A greve dos pescadores de sardinha em SC, que completa uma semana, começa a mostrar seus efeitos ao consumidor. No Mercado de Peixe de Itajaí, o pescado fresco não chegou, apesar do período de defeso ter terminado no último domingo.

Nas empresas enlatadoras, o reflexo é menor visto que há a estocagem. Mas, caso a paralisação permaneça, as empresas articulam a possibilidade de comprar sardinha de outras frotas, principalmente do Rio de Janeiro e de São Paulo.

– É um risco que todos estamos correndo. Só a frota catarinense está parada. As indústrias costumam estocar, mas logo elas poderão buscar o pescado em outras frotas e isso pode quebrar economicamente a região. Temos um tripé: mão de obra, frota de embarcações e indústrias. Quando um dos lados quebra ou cede, os outros também – explica Giovani Monteiro, vice-presidente do Sindicato das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região.

Conforme Monteiro, as indústrias de pesca de Itajaí e região têm o compromisso formal com armadores e pescadores de sempre dar preferência ao pescado local. Quando há falta do pescado, isso acaba abrindo precedente para as indústrias buscarem alternativas em outros estados. Outro risco que se corre é o das empresas enlatadoras preferirem importar o produto já enlatado a produzir isso na região.

Os pescadores estão em greve desde o último domingo, quando acabou o defeso da sardinha. Eles reivindicam a garantia de um preço mínimo para o quilo do pescado. Hoje, o quilo da sardinha é fixado a R$ 1, e os pescadores querem, no mínimo, entre R$ 1,30 e R$ 1,50.

No Mercado de Itajaí, o peixe mais procurado pelos consumidores já não foi encontrado na sexta-feira de véspera do Dia dos Pais

A solução encontrada pela associação dos trabalhadores do local para preencher as lacunas nas prateleiras das bancas foi encomendar um carregamento de quatro toneladas de sardinha de fora do Estado. A previsão era que o pescado chegasse na cidade ainda no sábado pela manhã, vindo do Rio de Janeiro.

– A sardinha é a preferida entre os peixes populares por dois motivos: o baixo preço e por ser rica em ômega 3 (ácidos que contribuem para a redução dos níveis de colesterol e triglicerídeos) – explica o presidente da Associação do Mercado de Peixe de Itajaí, José Serpa Júnior.

No mercado itajaiense, o quilo da sardinha costuma ser vendido a R$ 3. No caso do carregamento especial previsto para sábado, o quilo será comercializado por R$ 3,99.

http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.