Força Verde apreende 700 metros de rede na Represa do Capivara

Policiais da 2ª Companhia de Polícia Ambiental Força Verde, que atende a região de Londrina, apreenderam mais de 700 metros de redes de pesca na Represa do Capivara, próximo ao Porto de Areia, no município Primeiro de Maio, nesta segunda-feira (22). Dois homens foram presos em flagrante com o material, já que neste período de piracema, que vai até o dia 28 de fevereiro, é proibido realizar qualquer tipo de pesca.

“A abordagem aconteceu após uma denúncia anônima de que homens estariam armando redes de pesca no local”, diz o comandante da equipe que participou da ação, sargento Odair Guimarães de Souza. “No patrulhamento aquático nós avistamos três indivíduos com as redes, porém um deles entrou na mata existente no local e fugiu”, relata.

Ainda segundo o sargento, os detidos, Júlio César Soares do Vale, 45 anos e Cícero Aparecido de Campos, 37 anos, responderão criminalmente por terem cometido uma infração ambiental de pesca predatória, além disso, será instaurado um processo administrativo que prevê multa que varia de R$700 até R$100 mil. “Nesse período de Piracema tanto a pesca amadora quanto a profissional são proibidas. Assim, nós preservamos a reprodução dos peixes”, diz o sargento.

O comandante do BPAmb-FV, tenente-coronel João Alves da Rosa Neto lembra que a população pode auxiliar para que mais crimes ambientais sejam solucionados, ligando para o disque denúncia 0800 643 0304. “Não há a necessidade de se identificar, a ligação é gratuita e pode ser realizada a qualquer hora”, diz. “A participação da comunidade nesse período de piracema é de extrema importância, pois evita que crimes de pesca predatória ocorram nesses meses que ocorre a reprodução dos peixes”, completa. Os detidos e o material apreendido foram encaminhados para a Delegacia de Policia de Primeiro de Maio.

Por Marcia Santos
Jornalista PMPR
Fotos: BPAmb FV

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.