Especialistas internacionais revelam que 85% dos recifes de ostras desapareceram do planeta

A organização “The Nature Conservancy” trabalha com uma equipe de cientistas oriundos de instituições acadêmicas e de pesquisa dos cinco continentes do mundo, especialistas em biologia, ecologia e manejo de bancos naturais de bivalves marinhos. Essa organização publicou recentemente o livro “Global Shellfish Reefs at Risk Assessment” (site para download: www.nature.org/shellfish), com a primeira avaliação global e abrangente do estado dos bancos naturais de moluscos bivalves do mundo, que contém um dado alarmante: “85% dos recifes de ostras desapareceram do planeta”. A publicação sugere que esse “habitat” marinho é o mais drasticamente degradado em todo o mundo.

O Instituto de Pesca colaborou para esse estudo, em conjunto com outros pesquisadores da América do Sul, consolidado em um workshop realizado durante o “VII Latin-American Congress of Malacology” (CLAMA), realizado em Valdivia, Chile, nos dias 8 e 9 de novembro de 2008. Através da experiência de cada um e de questionários preenchidos por outros colegas especialistas, incluindo uma extensa pesquisa bibliográfica, os pesquisadores geraram estimativas da condição de algumas populações de moluscos nos estuários e oceano e do estado geral em termos de uma escala ecorregional.

Até o momento, não se tem conhecimento de estudos revelando a extensão ou a taxa de declínio das populações de moluscos da América do Sul. Essa ausência de informações se deve à carência de pessoal para atuar na gestão desses ecossistemas, e ainda, provavelmente, ao baixo investimento econômico nessa área de pesquisa em países sul-americanos. A constatação mais preocupante para a América do Sul é que quase a metade das populações de moluscos avaliadas foi considerada bastante ameaçada pela sobrepesca e pela degradação ambiental.

Ações significativas

No Brasil, há iniciativas em curso ligando a redução da pobreza com a sustentabilidade das atividades extrativistas nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. O modelo brasileiro de cogestão de recursos naturais, conhecido como Reservas Extrativistas (RESEX), desenvolvido com a participação ativa dos pescadores, agências governamentais e parceiros em São Paulo e Santa Catarina, é considerado uma ferramenta promissora para a conservação dos moluscos bivalves nativos provenientes de bancos naturais do país.

Fonte: Instituto de Pesca, Nov/2009 (http://www.pesca.sp.gov.br/default.php)

Marcelo Barbosa Henriques, henriquesmb@pesca.sp.gov.br,

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.