Em cativeiro, peixe-boi de 36 anos dá à luz filhote em Manaus

A peixe-boi Boo, de 36 anos, deu à luz um filhote nos tanques do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) nesta quinta-feira (8). De acordo com o veterinário Anselmo d’Affonseca, que cuida desse animais no instituto, esse já é o quarto filhote dela e o sexto que nasce no laboratório do Inpa. Ele espera que, quando crescer, o filhote possa viver livre nos lagos da Amazônia.

De acordo com d’Affonseca, o primeiro nascimento em cativeiro da espécie ocorreu em 1998. Para que isso ocorra, é necessária uma estrutura grande, permitindo que machos e fêmeas possam conviver juntos.

A gestação de um peixe-boi pode durar até 13 meses. Segundo o veterinário, não é possível saber quantos meses o pequeno filhote ficou na barriga da mãe, já que não se têm a data em que o bicho foi concebido. Também não se sabe quem é o pai, que será identificado por um teste de DNA.

Dos tanques para os lagos

A esperança de Anselmo é que o filhote, quando crescer, possa conhecer as águas abertas dos lagos amazônicos. Antes disso, terá que mamar dois anos e não poderá ser solto antes dos seis, quando já será quase adulto.

O veterinário conta que, em teoria, os filhotes nascidos em cativeiro têm mais chances de sobreviver na natureza do que os que nasceram nos lagos mas foram separados da mãe – cerca de 90% dos casos que chegam ao Inpa. Isso ocorre porque, com a mãe ao lado, os mamíferos não se acostumam com o ser humano, e ficam mais espertos, desconfiados.

Já houve quatro tentativas de reintroduzir os animais à natureza, mas todas fracassaram. Um morreu, outro perdeu o rádio que o localizava e dois foram resgatados, sendo que um deles não conseguiu sobreviver. “Nenhum deles havia nascido em cativeiro. Ainda assim, eram os mais ariscos [do Inpa]”, conta Anselmo. “A reintrodução de qualquer espécie é complicadíssima. Por isso, temos que conservar populações na natureza.”

Mais consciência

Boo foi o segundo peixe-boi a ser adotado pelo do Inpa. Chegou em 1974, ainda bebezinho. Naquela época, era comum que as pessoas comprassem peixes-boi e entregassem ao instituto. Contudo, segundo Anselmo, havia muitos casos em que o bicho era adquirido para ser criado em casa, mas as pessoas descobriam que a tarefa era impossível. “Quando o animal estava para morrer, doavam para a gente”.

Hoje a história já é diferente, conta o veterinário. “O Ibama tem estrutura para resgatar os animais e as pessoas veem muito esse problema na mídia e têm medo de ser denunciadas. Às vezes a própria comunidade denuncia o criador ilegal.”

Se você vive ou viajou para a Amazônia e tem denúncias sobre animais silvestres, entre em contato com o Globo Amazônia pelo e-mail globoamazonia@globo.com. Não se esqueça de colocar seu nome, e-mail, telefone e, se possível fotos ou vídeos.

http://g1.globo.com/Amazonia/0,,MUL1436692-16052,00-EM+CATIVEIRO+PEIXEBOI+DE+ANOS+DA+A+LUZ+FILHOTE+EM+MANAUS.html

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.