Católicos celebram hoje Dia de Aparecida


A movimentação dos católicos, devotos de Nossa Senhora Aparecida, começou ontem, com a chegada da réplica da imagem da santa na Igreja Matriz, Centro. A réplica, de nº 16 – só existem 100 no mundo – passou por diversos estados antes de chegar a Boa Vista. O Dia da Padroeira do Brasil vai ser comemorado durante todo o dia de hoje com missas e procissão.

A noite dos fiéis foi de vigília, após a chegada da imagem. As atividades de hoje têm início a partir das 11h, com uma missa na Igreja Matriz. Às 17h, a réplica da imagem parte da igreja em uma procissão, com percurso entre as praças Barreto Leite e Silvio Botelho, passa pelo Centro Cívico e segue pela avenida Ville Roy, com destino à Igreja da Aparecida, no bairro de mesmo nome.

Na Igreja da Aparecida, o bispo Dom Roque Paloschi dará início à missa em comemoração à santa. A novidade deste ano é a presença de mil crianças vestidas de anjo. A organização do evento espera um público de oito mil fiéis.


Para o padre Vantui Neto, esta é a principal festa católica do Brasil. “É a festa da mãe de Jesus, que cuidou Dele em todos os momentos, bons e ruins. Desejo que Nossa Senhora olhe por todos nós também, sempre”, disse.

HISTÓRIA – A sua história teve início em meados de 1717, quando chegou a Guaratinguetá a notícia de que o conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, governador da então Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, iria passar pela povoação a caminho de Vila Rica (atual cidade de Ouro Preto), em Minas Gerais.

Desejosos de obsequiá-lo com o melhor pescado que obtivessem, os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves lançaram as suas redes no rio Paraíba do Sul. Depois de muitas tentativas infrutíferas, descendo o curso do rio chegaram a Porto Itaguaçu, a 12 de outubro.

Já sem esperança, João Alves lançou a sua rede nas águas e apanhou o corpo de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição sem a cabeça. Em nova tentativa apanhou a cabeça da imagem. Envolveram o achado em um lenço e, animados pelo acontecido, lançaram novamente as redes com tanto êxito que obtiveram copiosa pesca.

Durante quinze anos a imagem permaneceu na residência de Felipe Pedroso, onde as pessoas da vizinhança se reuniam para orar. A devoção foi crescendo entre o povo da região e muitas graças foram alcançadas por aqueles que oravam diante da imagem. A fama dos poderes extraordinários de Nossa Senhora foi se espalhando pelas regiões do Brasil. A família construiu um oratório, que logo se mostrou pequeno. Por volta de 1734, o vigário de Guaratinguetá construiu uma capela no alto do morro dos Coqueiros, aberta à visitação pública em 26 de julho de 1745. Diante do aumento no número de fiéis, em 1834 foi iniciada a construção de uma igreja maior – a atual Basílica Velha.

Em 6 de novembro de 1888, a Princesa Isabel visitou pela segunda vez a basílica e ofertou à santa uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis, juntamente com um manto azul. No ano de 1894, chegou a Aparecida um grupo de padres e irmãos da Congregação dos Missionários Redentoristas, para trabalhar no atendimento aos romeiros que acorriam aos pés da imagem para rezar com a Senhora “Aparecida’ das águas.

Em 8 de setembro de 1904, a imagem foi coroada, solenemente, por D. José Camargo Barros. No dia 29 de abril de 1908, a igreja recebeu o título de Basílica Menor. Vinte anos depois, a 17 de dezembro de 1928, a vila que se formara ao redor da igreja no alto do Morro dos Coqueiros tornou-se Município. E, em 1929, Nossa Senhora foi proclamada Rainha do Brasil e sua Padroeira Oficial, por determinação do Papa Pio XI.

Fonte = ANDREZZA TRAJANO Jornal Folha de Boa Vista

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.