Brasil e Noruega confirmam cooperação para desenvolver pesca e aquicultura nos dois países

Em reunião com vice-ministro norueguês, em Roma, ministra Ideli cita a transferência de tecnologia e pesquisa como prioridades para o Brasil

A realização de um seminário internacional no próximo mês, em Manaus (AM), será o primeiro passo das muitas ações conjuntas acertadas entre Brasil e Noruega visando desenvolver a atividade pesqueira e aquícola nos dois países. A decisão foi acertada em reunião nesta terça-feira (1/2), em Roma, entre a ministra da pesca e aquicultura Ideli Salvatti e o vice-ministro da pesca da Noruega, Hans Kristian Amundsen. As autoridades participam do encontro do Comitê de Pesca da FAO, que reúne mais de 190 países e termina na sexta (4/2).

O seminário é parte da estratégia para região amazônica, onde o governo brasileiro prevê implantar um programa de desenvolvimento de aquicultura. “Para isso, ampliamos nossas parcerias com o governo norueguês, visando aproveitar a experiência daquele país em pesquisa e tecnologia na produção de pescado”, explicou Ideli Salvatti.

No evento que acontece em março, na capital amazônica, autoridades e técnicos da Noruega estarão presentes. Informações da atividade pesqueira e aquícola, políticas brasileiras e avanços na legislação para o setor serão apresentados aos participantes. Outro destaque será a experiência norueguesa em investir rendimentos da exploração de petróleo na pesca e aquicultura. “Temos muito a aprender e queremos parceiros fortes como a Noruega para desenvolver de forma sustentável o nosso potencial das águas”, reforçou a ministra.

Ideli citou ao vice-ministro a criação do Laboratório do Mar em uma plataforma da Petrobras, projeto que está em fase de estruturação pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, com apoio da Marinha e MPA. Destacou ainda os investimentos do governo brasileiro na modernização da infraestrutura pesqueira e ampliação da aquicultura, a exemplo da agenda percorrida nos estados pela ministra em busca de mais estrutura e agilidade na liberação das licenças ambientais para produção de peixes e crustáceos em cativeiro.

O modelo de gestão pesqueira brasileiro é outro item a ser trabalhado. A metodologia, sob forma de participação conjunta entre governo e membros da sociedade, que integram Comitês Permanentes de estudo e monitoramento das espécies, desperta interesse do governo norueguês.

Cooperação bilateral

Noruega e Brasil têm longa tradição de comércio, em especial na área da aquicultura e pesca, a exemplo do bacalhau e salmão que desembarcam no país. Só em importação de bacalhau são cerca de 220 milhões de dólares ao ano.

Memorandos de entendimentos e visitas oficiais ao Brasil já foram feitos pelas autoridades norueguesas. Em 2010, durante a I Feira Internacional da Pesca e Aquicultura realizada em Santa Catarina, institutos de pesquisa como o Nofima e Sintef assinaram acordos de cooperação com a Embrapa Aquicultura e Pesca, do Brasil.

MPA

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.