Bijupirá / Cobia

bijupira.jpg

Nome Popular
Bijupirá / Cobia

Nome Científico
Rachycentron canadum

Família
Rachycentridae

Distribuição Geográfica
Regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul (do Amapá ao Rio Grande do Sul). Mais comum no Nordeste.

Descrição
Peixe de escamas muito pequenas; corpo alongado e subcilíndrico; cabeça grande e achatada. As nadadeiras dorsal e anal são do mesmo tamanho, dando a impressão de uma ser reflexo da outra. A nadadeira caudal tem o lobo superior muito maior que o inferior. A coloração é marrom escuro, sendo o ventre amarelado; apresenta duas faixas prateadas ao longo do corpo. As nadadeiras são escuras. Pode alcançar 2m de comprimento total e 70kg.

Ecologia
Espécie de superfície e meia água; vive em áreas costeiras e no alto mar. Pode ser encontrada ocasionalmente em águas rasas com fundo rochoso ou de recife, assim como em estuários e baías. Normalmente é encontrada sozinha ou aos pares, mas pode formar cardumes pequenos. Alimenta-se de peixes, crustáceos e lulas. A carne é relativamente saborosa e tem muitos apreciadores, mas não é muito comum nos mercados. É um peixe muito lutador e, portanto, muito apreciado pelos pescadores esportivos. Pode ser pescado na beira da praia, em mar aberto e próximo a ilhas e recifes.

Equipamentos
O equipamento é do tipo médio/pesado; linhas de 20 a 80 lb; e anzóis até n° 7/0.

Iscas
As iscas naturais, sardinhas, xereletes, corcorocas e caranguejos, devem ser colocadas bem na frente do peixe. As iscas artificiais podem ser plugs de superfície e meia água.

Dicas
Pode ser capturado na superfície, a meia água e no fundo. Gosta de detritos boiando. Aproxima-se mais da costa no verão. Em águas distantes, é pescado o ano inteiro. O ideal é pescar embarcado e esperar que o peixe se canse antes de embarcá-lo.

Recorde
61.5 kg/ 135 lb 9 oz

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

um comentário

  1. A carne do peixe Bijupirá é muito saborosa, diferente do expresso nessa matéria.
    De fato não é muito conhecido, contudo há restaurantes em Porto de Galinhas, Vitória e Rio de Janeiro que o fazem de maneira magnífica.
    Sua carne de cor branca, levemente entremeada de gordura e consistencoa tornam-na saborosa para os apreciadores.
    Segundo os proprietários desses restaurantes, é sempre bom consultar com antecedência se há disponibilidade do peixe pois sua captura pelos pescadores é muito pequena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.