Bahia – Projetos de piscicultura são ampliados no interior do Estado

Além de Taperoá, beneficiado com a entrega de 40 tanques-rede para alevinagem (criação e engorda de peixes), e a distribuição de 80 mil alevinos, este mês, a Bahia Pesca também tem programada ações para os municípios da Região do Baixo Sul do Estado, entre os quais Valença, Laje, Camamu, Igrapiúna, Ituberá e Nilo Peçanha. Esses programas vão desde o peixamento de aguadas públicas, à implantação de projetos de piscicultura com o uso de tanques-rede e a ampliação do cultivo de ostras.

No próximo mês a expectativa é que estejam disponibilizados mais de um milhão de alevinos nas estações de piscicultura. Dentro dessa programação, o primeiro município a ser contemplado será Camaçari, que receberá 100 mil alevinos, já na próxima semana. Na Estação de Pedra do Cavalo, um a das principais da Bahia Pesca, mais de 300 mil alevinos estarão disponíveis para os programas de peixamento, a partir do dia 15.

Para atender a essas demandas, a Bahia Pesca mantém em atividade sete estações de piscicultura – Joanes (Camaçari), Pedra do Cavalo (Cachoeira), Jequié, Boa Vista do Tupim, Itamaraju, Cipó e Porto Novo (Santana) – onde são criados, principalmente, alevinos dos espécimes tilápias, carpas, tambaquis e tambacus.

Produção

Das sete estações mantidas pela Bahia Pesca, a de maior produção é a de Boa Vista do Tupim, no município do mesmo nome, com uma estimativa de chegar ao final deste ano com uma produção de dois milhões de alevinos. Em seguida vêm as de Pedra do Cavalo, no município de Cachoeira (1,7 milhão), Joanes, em Camaçari (1,45 milhão), Jequié (um milhão), Itamaraju (650 mil), Cipó (310 mil) e Porto Novo, no município de Santana, cujas obras já foram concluídas, já tendo iniciado do o processo de produção.

O programa de povoamento em aguadas públicas já beneficiou este ano mais de 10 mil famílias, em 57 municípios, principalmente na região do Semi-Árido. Através de entidades e associações, a Bahia Pesca fornece os alevinos e dá capacitação para os pequenos produtores rurais, que após o período de alevinagem, fazem a engorda dos peixes com rações balanceadas. Ao fim do período que varia de seis a oito meses, os peixes podem ser capturados para consumo e comercialização.

Fonte: Bahia Pesca

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.