Arraial do Cabo promove o 16º Festival da Lula na semana santa

Com praias charmosas, de fama internacional, e um pescado farto, Arraial do Cabo, na região dos lagos do Rio de Janeiro, tem uma agenda turística que torna o município ainda mais encantador. Uma interessante programação, por exemplo, ocorrerá durante a semana santa: o tradicional – já em sua 16º edição – Festival da Lula, que deverá atrair um público estimado em  120 mil pessoas.

Realizado na praia Grande, uma das preferidas dos surfistas, o evento é dedicado a uma pescaria que ocupa gerações de pescadores da região, a lula.

As atrações do 16º Festival da Lula de Arraial do Cabo serão variadas. Nas barraquinhas montadas para o evento os visitantes poderão apreciar pratos à base desse molusco, como lula recheada, estrogonofe de lula, lula a dorê, risoto, pastel de lula e caldo de lula. Além disso, o público poderá assistir apresentações musicais e participar de oficinas de gastronomia.

O evento, apoiado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), é uma iniciativa da Associação de Pescadores de Arraial do Cabo, município que conta com centenas de pescadores e se encontra situado a 150 km da capital carioca.

Centro pesqueiro

A atividade pesqueira em Arraial do Cabo é tradicional e envolve pescados saborosos e de grande interesse comercial. Tainha, Cavala, Bonito, Xaréu, Serra, Sardinha Verdadeira, Namorado, Linguado e diversas espécies de cações e arraias, polvos, mexilhões, ostras, entre outras espécies, são encontradas em sua costa. Essa fartura de pescado é devida a um fenômeno da natureza, usual na costa dos países de língua espanhola da América do Sul, ou seja, no Oceano  Pacífico, mas só presente em raros pontos do litoral brasileiro, no Atlântico, entre eles Arraial do Cabo e Cabo Frio.

É o fenômeno da ressurgência. Correntes marinhas, profundas e geladas, que carregam nutrientes, emergem no litoral da região dos Lagos. Esses nutrientes promovem o desenvolvimento do plâncton, que constitui a base da cadeia alimentar marinha, fornecendo alimento a peixes e outros organismos marinhos. Assim, a população de pescado aumenta.

Nessas águas férteis, a lula é capturada entre novembro e abril. Ela, na realidade, vira uma presa fácil por ser curiosa. Os pescadores sabem que, como as mariposas, as lulas são atraídas pela luz. Assim, à noite, pequenas embarcações, que trabalham a aproximadamente 120 metros da costa, se iluminam ao máximo com lanternas. Então, dezenas, ou melhor, centenas ou até milhares de lulas, que geralmente se movimentam em grupo, se aproximam e são capturadas com tarrafas, puçás, redes de armar e zangarelho, uma linha com um anzol que possui várias pontas.

Segundo Joaquim Rodrigues de Carvalho, presidente da Associação de Pescadores local, Arraial do Cabo é um dos maiores fornecedores de lula do Brasil. Com cerca de 30 centímetros de comprimento, a lula é vendida no estado e em outros mercados, como São Paulo.

O bicho

Lula a doré
Lula a doré

A lula é um molusco da classe dos cefalópodes, que vive no mar e respira por meio de brânquias. Esse molusco tem corpo alongado, com quatro pares de tentáculos regulares e um par de tentáculos mais finos e longos. Portanto, a lula é decápode, ou seja, possui dez tentáculos.

Uma curiosidade é o fato de possuir um “reservatório” de tinta escura, a qual é expelida quando ela se sente ameaçada. No mundo, existem aproximadamente 300 espécies de lula.

Para os turistas, prestigiar o 16º Festival da Lula de Arraial do Cabo será mais do que a oportunidade de apreciar bons pratos à base de lula, de escutar boa música e se divertir com amigos. Outros atrativos esperam os visitantes.

Arraial do Cabo conta com a praia do Farol, considerada uma das mais bonitas do Brasil. Nos arredores do centro, o turista encontra ainda a paradisíaca praia do Pontal do Atalaia e a movimentada Prainha. Tudo isso sem contar as praias Brava e Grande, que fazem a festa dos surfistas.

MPA

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.