Aqüicultura: produção científica cresceu no Brasil, diz pesquisa


É o que afirma a pesquisadora em aqüicultura e professora da Unesp, Elisabeth Urbinati. Presidente da Sociedade Brasileira de Aqüicultura e Biologia Aquática (Aquabio) até o ano passado, Elisabeth é tida como uma das maiores especialistas em pesquisa em aqüicultura do país e esteve presente no 1º Congresso Brasileiro de Produção de Peixes Nativos de Água Doce e 1º Encontro de Piscicultores de Mato Grosso do Sul, que aconteceu, em Dourados, na Embrapa Agropecuária Oeste.

Em 2006, o país subiu duas posições no ranking dos 30 países com melhor produção científica (maior número de artigos científicos publicados). As áreas que mais cresceram entre 2001 e 2006 foram produção animal, 58% e ecologia e meio ambiente, 40%”, esclarece Urbinati.


Ela apresentou aos participantes um panorama da pesquisa em aqüicultura no Brasil e sugere que “precisamos saber como a aqüicultura se comporta neste contexto, para por meio de um diagnostico orientar ações e políticas de universidades e setor publico”.

De acordo com ela, as principais agências de fomento que apóiam pesquisa no Brasil são “CNPq (MCT), CAPES (MEC), FINEP (MCT), SEAP (PR), fundações estaduais e privadas. São órgãos que reconhecem a aqüicultura como área de pesquisa”.

A professora apresentou dados do CNPq que servem de base para análises interessantes. Há 547 grupos de pesquisa que consideram seus estudos com impactos no setor de atividade de pesca, aqüicultura e maricultura. Desses, 166, têm como área predominante os recursos pesqueiros e engenharia de pesca no país.

Congresso – com promoção da Aquabio, da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República (Seap/PR) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e realização da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados-MS) e Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), o Congresso e o Encontro têm a parceria e o apoio de diversas instituições, entre universidades, associações, empresas privadas, cooperativas e governos municipal, estadual e federal.

Veja também

Goiás – Lei da Cota Zero será renovada por mais três anos

Os rios goianos são, sem dúvida, um dos maiores patrimônios de Goiás. A biodiversidade e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação Segurança (obrigatorio) * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.